Traidora de Bolsonaro, Soraya começa a derreter em MS

Já chamada de Joice Hasselmann do Pantanal, senadora agora é alvo do presidente

Vinícius Squinelo

Campanha no Twitter, acusações de traição e, mais importante, ordem para retirada de verbas e de cargos. Soraya Thronicke começa a derreter depois de trair Jair Bolsonaro um dia após passear com o presidente em Mato Grosso do Sul. A ordem é clara: pegar firme na política de primeira viagem.

“Bolsonaro mandou desidratá-la”, resumiu parlamentar ouvido, sob condição de anonimato, pelo TopMídiaNews. Nas redes sociais, a situação não é melhor. Grupos de apoio ao presidente subiram a hashtag #DerreteSoraya e a senadora já ganhou o apelido de Joice Hasselmann do Pantanal, em alusão a outra parlamentar acusada de trair o presidente.

E as reações não ficam só nas redes sociais. Foi publicada, na edição desta segunda-feira (24) do Diário Oficial da União, a exoneração de José Magalhães Pinto, o Zé do Megafone, da Funai de Campo Grande. Ele era nome indicado por Soraya.

FACADA NAS COSTAS: Governo federal perdeu votação no Senado por dois votos, um justamente por Soraya, a que se recusa a falar que é caroneira de Bolsonaro

Soraya é acusada de traição após dois fatos que retumbaram na base de apoio de Jair Bolsonaro. Primeiro, votou no Senado pela derrubada do veto do presidente que impedia aumento de salários de servidores da linha de frente do combate à covid-19 durante a pandemia. O governo perdeu a votação na Casa maior por dois votos – depois o veto foi mantido pela Câmara dos Deputados.

Não satisfeita, Soraya atacou e pediu a demissão do ministro da Economia Paulo Guedes. “Esclareci que o ministro Paulo Guedes mentiu, e que [ele] é absolutamente inábil para a política”, postou, no Twitter. “Peço a governo de Jair Bolsonaro que se conscientize de que Paulo Guedes não entrega. Está na hora de este senhor ranzinza e irresponsável ir para casa. O Brasil tem pressa”.

Print Friendly, PDF & Email