Simone diz que Senado investigar filho de Bolsonaro é só para ‘fazer barulho’

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Senadora sul-mato-grossense afirma que investigação é tarefa do Judiciário e MP

Celso Bejarano

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) disse em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, que a abertura de uma eventual investigação, no Senado, contra o senador eleito Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, seria o mesmo que fazer um pré-julgamento ou “barulho”, apenas.

“Não somos Ministério Público, muito menos Judiciário”, respondeu a senadora sul-mato-grossense quando perguntada se existe uma articulação da oposição para que o caso de Flávio seja investigado e “bastante explorado” no Senado.

Relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) acerca das movimentações financeiras de Flávio revelam que a renda do filho mais velho de Bolsonaro não justifica o volume de dinheiro na conta bancária dele. Até agora, o MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) investiga o caso.

Ao jornal paulista, Simone disse ter respondido a questão como parlamentar, não como candidata à presidência do Senado.

“Acima de tudo, é importante ter os fatos. Os fatos têm que estar claros. Tenho que ter algo concreto no que me debruçar. Lembrando que tudo que foi feito antes da posse, a princípio, não cabe investigação por parte da Casa. Isso fica por conta do Ministério Público, do Poder Judiciário”, disse a senadora.

Simone afirmou ainda sobre a eventual investigação do Senado em torno da suspeitas que envolvem o filho do presidente: “a não ser que queira fazer barulho, pré-julgamento ou fazer com o partido do outro o que não quis que se fizesse com o próprio partido, fora isso, é muito prematuro você avançar nesta pauta”.

Simone disse que vai disputar o comando do Senado, mesmo contrariando as intenções do senador Renan Calheiros, também emedebista e concorrente à presidência.

Print Friendly, PDF & Email