Senadores de MS fogem da discussão sobre demissão de concursados ‘trapalhões’

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Ideia será votada no Senado e, se aprovada, vale para o serviço público federal, estadual e municipal

Celso Bejarano, de Brasília

A CAS (Comissão de Assuntos Especiais) do Senado aprovou o projeto que sentencia a demissão de servidores públicos empregados por meio de concurso público e também os estáveis por “insuficiência de desempenho no serviço”.

Consultados, os três senadores de Mato Grosso do Sul deixaram a entender que ainda devem estudar o plano para, depois, anunciarem se são contra ou a favor ao projeto que deve motivar exaustivos debates.

Nelsinho Trad (PSD) disse, por meio de sua assessoria de imprensa, em Brasília, “que ainda vai analisar o projeto em detalhes, mas a princípio não concorda com a perda de direitos adquiridos”.

Ou seja, ainda que aprovado, pela interpretação do Senador, os concursados e servidores estáveis já empregados no serviço público poderiam ficar fora da regra nova.

Simone Tebet, senadora do MDB, ainda não quis comentar o conteúdo do projeto, segundo sua assessoria de imprensa. Já Soraya Thronicke (PSL) não respondeu ao questionamento feito também via assessoria de imprensa.

O PROJETO

Após a CAS, a proposta deveria ser submetida a análise de duas outras comissões, no entanto, como a relatora da proposta, a senadora Juíza Selma, do PSL de MT, pediu urgência e isso pode conduzir logo a ideia para a votação no Plenário do Senado.

Empregados por concurso público obtêm estabilidade no trabalho depois de três anos de serviço, período que seus desempenhos são avalizados pelas chefias.

Daí em diante, o servidor público só perde o emprego por decisão judicial ou, então, se investigados e punidos em processo administrativo disciplinar.

Pelo projeto em curso o servidor público deve ter o desempenho inspecionado durante o ano por um chamado comitê avaliador, que inclui a chefia e outros servidores.

Para virar lei, o projeto, além de aprovado em Plenário do Senado, deve ser examinado e vota pela Câmara dos Deputados.

Print Friendly, PDF & Email