Permissão para plantar cana no Pantanal ressuscita memória de ambientalista que ateou fogo no corpo

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Partido Verde está mobilizando ambientalistas contra revogação de decreto que protegia o bioma em MS

Rayani Santa Cruz

Marcelo Bruma, presidente regional do Partido Verde em Mato Grosso do Sul, repudiou e lamentou a revogação do decreto que excluía totalmente a produção e plantio de cana-de-açúcar em biomas da Amazônia, Pantanal e a Bacia do Alto Paraguai. O advogado lembrou o caso do ativista Francisco que morreu em 2005 em protesto a favor da preservação do Pantanal.

Ele cobrou a decisão em publicação na página oficial do PV e diz que o governo federal errou ao não promover debate com a sociedade.

“A sociedade sul-mato-grossense tem se mobilizado durante décadas em defesa da preservação do Pantanal. Nessa luta, tivemos, inclusive, a morte do ambientalista  Francisco, que em um ato extremo deu a própria vida em defesa do Pantanal”, diz.

Bluma, que é pré-candidato a prefeitura de Campo Grande em 2020, acha que a possibilidade é um risco para a região. “Para que aumentar a pressão pelo desmatamento e também pelo uso indiscriminado de agrotóxicos, quando poderíamos fortalecer o desenvolvimento sustentável da região?”, indagou.

Morte do ambientalista

Em 2005, o ambientalista Francisco Anselmo Gomes de Barros, 65 anos, ateou fogo ao corpo em meio a um protesto contra a instalação de usinas de álcool e açúcar na bacia do rio Paraguai, no Pantanal.

À época, uma proposta para instalação de usinas foi enviado à Assembleia e o manifesto reuniu cerca de 150 pessoas.

O ambientalista colocou dois colchonetes em forma de cruz na calçada, jogou gasolina ao corpo e nos colchões e ateou fogo. Ele foi socorrido, mas morreu na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) da Santa Casa.

(Francisco durante protesto, Foto: Ecoa.org)

Print Friendly, PDF & Email
HIPER