PEGOU MAL: ‘brasileiros não passam fome porque cidades têm mangas’, dispara Tereza Cristina

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Ministra do MAPA fez declaração durante depoimento na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados

Rodson Willyams

A ministra do MAPA (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), Tereza Cristina, gerou polêmica com declaração infeliz durante depoimento à Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados. Aos deputados, ela disse que os brasileiros não passam fome porque têm ‘mangas nas cidades’.

Segundo informações do site UOL, a ministra teria feito a declaração após ser questionada pela comissão sobre o combate à fome no país. “Agricultura para países que tiveram guerra, que passaram fome, é questão de segurança nacional. Nós nunca tivemos guerra, nós não passamos muita fome porque temos manga nas nossas cidades, nós temos um clima tropical. Nós temos miséria, e precisamos tirar o povo da miséria”.

Tereza Cristina ainda falou quanto a questão da preservação ambiental, onde fez uma analogia com o uso de um apartamento. “Os produtores têm uma importância muito grande na preservação, é ele que tem a obrigação de preservar. [A porcentagem que deve ser preservada] é muito grande, é como você ter um apartamento de três quartos e só poder usar metade de um, e ainda paga por isso”.

Conforme a publicação paulista, a ministra foi questionada sobre outros temas como o pagamentos por serviços ambientais (PSA), instrumento que tem como objetivo fomentar a preservação ambiental e a biodiversidade e amenizar os efeitos do aquecimento global e o Bolsa Verde, promulgado em 2011.

Pobreza cresce no país

Conforme dados do IBGE, a Síntese de Indicadores Sociais (SIS) apontou que de 2016 para 2017, aumento o índice de pobreza no país. A linha de pobreza proposta pelo Banco Mundial (rendimento de até US$ 5,5 por dia, ou R$ 406 por mês), a proporção de pessoas pobres no Brasil era de 25,7% da população em 2016 e subiu para 26,5%, em 2017.

Em números absolutos, esse contingente variou de 52,8 milhões para 54,8 milhões de pessoas, no período. Nessa mesma análise, a proporção de crianças e adolescentes de 0 a 14 anos que viviam rendimentos de até US$ 5,5 por dia passou de 42,9% para 43,4%, no mesmo período.

Já o contingente de pessoas com renda inferior a US$ 1,90 por dia (R$ 140 por mês), que estariam na extrema pobreza de acordo com a linha proposta pelo Banco Mundial, representava 6,6% da população do país em 2016, contra 7,4% em 2017. Em números absolutos, esse contingente aumentou de 13,5 milhões em 2016 para 15,2 milhões de pessoas em 2017.

Print Friendly, PDF & Email