Indefinição do PSDB entre candidatura ou apoio motivou saída, diz Miglioli

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Marcelo Miglioli disse ter saído do ninho tucano sem desavenças

O ex-secretário estadual de Infraestrutura e candidato ao Senado Federal em 2018, Marcelo Miglioli foi lançado como pré-candidato a prefeito de Campo Grande pelo SD (Solidariedade), durante convenção estadual neste sábado (26), com a presença do presidente nacional, Paulinho da Força e lideranças de outros partidos como PSL, PSDB, PP, PSB. Ele afirmou ter deixado o ninho tucano por indefinição sobre as eleições do próximo ano.

O engenheiro alegou que o PSDB não tem uma definição política. “Não sabe se tem candidatura própria, se vai apoiar o Marcos Trad e nisso, optei por um novo projeto”.

Segundo Miglioli, ele vai se reunir com o PSDB para apresentar o projeto do seu partido, na disputa pela prefeitura. “Lógico que vamos sentar com o PSDB, existe vontade de apresentar, tanto com outros partidos, queremos somar e não fugir da linha”.

Ainda não há uma definição de vice-candidato a prefeito, mas há possibilidade de ser de outro partido. “Tivemos hoje presença forte de alguns partidos e isso nos dá condição e direito de sonhar com a prefeitura”.

O deputado federal Luiz Ovando (PSL) esteve presente. Sobre isso, Miglioli diz que ele é um bom nome. “Respeito o PSL, hoje aqui eu sou pragmático, as duas pessoas que tenho muita consideração é Luiz Ovando e Coronel David. Ovando pode ajudar muito no desenvolvimento no projeto da saúde de Campo Grande”.

O presidente nacional do SD e deputado federal, Paulinho da Força, alegou não ter possibilidade de apoiar candidato de outro partido em 2020 e não abre mão da candidatura própria. “A disposição do Miglioli é de disputar a prefeitura de Campo Grande. Depende do Miglioli e ele está disposto a disputar e vai ter todo apoio da presidência nacional”.

O deputado estadual Lucas de Lima tinha se colocado como pré-candidato a prefeito, antes de Miglioli anunciar a filiação ao Solidariedade. Paulinho da Força explicou ter sido uma escolha conjunta pelo nome do engenheiro. “Foi uma escolha conjunta, o Lima tinha me falado da pretensão, mas como Marcelo veio, ele percebeu que era importante estar junto na candidatura e isso vai fortalecer o Marcelo”.

Durante a convenção, o SD transmitiu um vídeo mostrando os problemas de Campo Grande, com entrevistas da população criticando a falta de emprego e investimentos. No seu discurso, o engenheiro disse não aceitar debate que Campo Grande melhorou. “Só acham que melhorou porque chegamos ao caos”.

O pré-candidato também criticou a atual administração dizendo que Campo Grande vive de estoque de anos atrás. “Campo Grande não tem história para o futuro e vive de um estoque de anos atrás. O que tem na cidade foi recurso federal que nós resgatamos, eu e Reinaldo [Azambuja], dentro de um espírito democrático de olhar para a Capital. Tenho relação boa com Trad, inclusive me apoiou para senador, agora uma vez que vamos apresentar um projeto para Campo Grande, eu tenho que dizer o porque e onde está falhando”.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER