Fernández vence eleições presidenciais no primeiro turno na Argentina

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Denise Chrispim Marin

Fechadas as urnas das eleições na Argentina, o peronista Alberto Fernández já celebrava sua vitória, sem nenhuma cautela sobre possíveis surpresas nas contagens dos votos em papel.  Os festejos se mostraram corretos: 47,6% dos votos, Fernández foi declarado vencedor no primeiro turno deste domingo, 27. O silencioso presidente Mauricio Macri totalizou 41,0%

O resultado não foi tão acachapante quanto o esperado. As pesquisas de boca de urna encomendadas pelo candidato peronista apontavam sua conquista de até 55% dos votos – um resultado bem melhor do que o obtido por ele nas primárias de setembro, quando recebeu 49,5%. Mas, com mais de 45%, conseguiu o que pretendia.

“Um minuto de silêncio para Macri, que está morto”, cantou Fernández e amigos em uma comemoração no seu apartamento, na região de Puerto Madero, em Buenos Aires, depois de fechadas as urnas. A cantoria foi gravada em vídeo e viralizou nas redes sociais argentinas.

Ao anoitecer, eleitores e simpatizantes da chapa da Frente de Todos começaram a se concentrar na sede da campanha, no bairro da Chacarita. Segundo o jornal Clarín, foram montadas três salas VIP para convidados especiais. No do segundo andar, mais exclusiva, Fernández e sua companheira de chapa, a senadora Cristina Kirchner, acompanharão a contagem. A ex-presidente votou em Río Gallegos, na Patagônia argentina e voou de volta a Buenos Aires em avião particular. Para o peronistas menos ilustrados, a campanha espalhou telões pela Avenida Corrientes, banheiros químicos e uma catarata de fogos de artifício, segundo o jornal La Nación. São esperadas 50.000 pessoas.

Antes dos primeiros resultados, o silêncio imperava na sede da campanha do Juntos pela Mudança, em Costa Salguero. Mauricio Macri aguarda os resultados da Quinta de Olivos, a residência oficial da Presidência argentina, e deve reunir-se a sua equipe apenas no final da contagem.

Um total de 34 milhões de argentinos estavam habilitados a votar nestas eleições e se distribuíram em 95.000 mesas. A contagem dos votos é manual, dado o fato de as cédulas serem ainda em papel. O eleitor foi obrigado a cortar com uma tesoura ou régua a cédula, depositar na urna apenas a parte impressa sobre seu candidato e dispensar o resto do papel.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER