“Está bem claro. É uma imposição”, diz presidente sobre resolução do PSDB

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Documento pode acabar com acordo entre Azambuja e Trad

YARIMA MECCHI

O presidente do PSDB-MS, Sérgio de Paula, disse em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (25) que a Resolução 010/2019 emitida pela Executiva Nacional do partido sobre as cidades com mais de 100 mil eleitores terem candidatos a prefeitos é clara e impositiva. O documento pode acabar com o acordo entre o prefeito de Campo Grande, Marcos Trad (PSD), e o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) para a campanha de 2020.

“Aqui está bem claro, bem claro. É uma imposição, mas eu sempre digo que atrás de uma imposição tem uma orientação. Está dizendo assim: busque o poder nesses grandes centros porque temos uma candidatura em 2022. Porque é importante esse fortalecimento”, disse Sérgio sobre sua interpretação com relação ao texto do presidente nacional Bruno Araújo, assinado no dia 19 deste mês, e se referindo a possível candidatura de João Dória, governador de São Paulo, à presidência da República.

Conforme a edição de hoje do Correio do Estado, Reinaldo Azambuja teve o apoio de Trad em 2018 para sua reeleição e se comprometeu em retribuir em 2020 quando o prefeito tentasse administrar Campo Grande por mais quatro anos, porém uma resolução diz que o partido “deve apresentar candidato próprio a prefeito nas eleições de 2020, nos municípios com mais de 100 (cem) mil eleitores, naqueles que tenham geração de programa de televisão e nos considerados estratégicos pela Executiva Nacional”.

Sérgio de Paula manteve o discurso que apenas em março deve ser avaliado se será realizado o apoio do PSDB ao PSD. “Isso é fortalecimento de partido. Aqui eu já falei várias vezes que em março vamos tratar desse assunto. Aqui tem um diretório municipal constituído, com certeza vão fazer consulta ao diretório estadual. Eu sempre digo que toda regra tem suas exceções, o partido tem três governadores no Brasil – em Rio Grande do Sul, São Paulo e Mato Grosso do Sul -, logicamente que essas decisões do partido vão passar pela mão desses governadores”.

O presidente ressaltou ainda que o ninho tucano está muito tranquilo com relação a possíveis nomes, caso lance uma candidatura própria, citando os deputados federais Beto Pereira e Rose Modesto, o vereador João Rocha e o secretário de Estado, Carlos Assis. “Tenho certeza que o partido vai ter tranquilidade, sabedoria de que forma vamos tocar as eleições em Campo Grande. Em março de 2020 vamos tomar uma decisão”.

Ainda de acordo com Sérgio de Paula, mesmo que o partido não lance candidatura própria, fará parte da discussão com relação a Campo Grande, além de realizar pesquisas para ver como estão avaliando a administração. “Se você fizer parte da majoritária, você começa entrar no jogo. É uma exigência, isso é importante para o João César – presidente da Executiva do PSDB em Campo Grande -, importante para Dourados, começarem ter uma sintonia. Nós vamos passar uma orientação para os nossos diretórios que onde tem uma candidatura própria o diretório pode fazer, mas onde não tiver eles tem que consultar a estadual. Todo partido busca poder, nossa maior liderança que é o governador Reinaldo Azambuja vai ter um peso nessa decisão”.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER