Deputado do PSL-MS tirou apoio a Eduardo Bolsonaro

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Deputado de MS não assinou nova lista em defesa de filho de presidente na liderança do partido

YARIMA MECCHI

O deputado federal de Mato Grosso do Sul, Loester Trutis (PSL) retirou seu nome da lista de apoio para seu colega de bancada e filho do presidente Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), ser líder do partido na Câmara dos Deputados. Na noite de ontem (16), um grupo de deputados aliados ao presidente tentou destituir do cargo de líder do governo o deputado Delegado Waldir (PSL-GO), com duas listas encaminhadas à Secretaria-Geral da Mesa da Câmara, ato sem sucesso.

Conforme informado pelo site Congresso em Foco, na primeira lista de apoio a Eduardo Bolsonaro, estava o nome dos dois deputados federais do PSL-MS, Dr. Luiz Ovando e Loester Trutis, porém na segunda lista apresentada o nome de Trutis não é informado. Além de Trutis a deputada Bia Kicis (PSL-DF) também retirou seu nome. Na primeira lista de apoio ao filho do presidente são 26 nomes e na segunda 24 nomes.

O ato realizado no Congresso Federal é mais um capitulo da crise interna no PSL que vem se agravando desde sexta-feira (11). O partido está dividido entre o grupo do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, chamados de ‘bolsonaristas’ e o grupo do presidente da executiva nacional, Luciano Bivar, conhecidos como ‘bivaristas’.

Conforme o Estadão, Jair Bolsonaro atuou pessoalmente para tentar derrubar Waldir. Em áudio vazado na imprensa nacional, o chefe do Executivo pediu a parlamentares da sigla que assinassem a lista para destituir o Waldir e apoiassem o nome do seu filho, para o posto. O pedido foi gravado por um deputado não identificado.

A troca do líder foi defendida por Bolsonaro após, um dia antes, Delegado Waldir orientar a bancada do PSL a votar contra uma Medida Provisória que tratava da reestruturação administrativa da Casa Civil e da Secretaria de Governo. A manobra segurou a votação por duas horas e, embora a MP tenha sido aprovada, o gesto representou uma vitória do grupo ‘bivarista’.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER