De volta ao Conselho de Itaipu, Marun retoma tratativas para construção de ponte em Murtinho

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Ele participa de reunião onde tratará sobre a rota bioceânica e a construção de ponte

Rayani Santa Cruz

O ex-ministro Carlos Marun, que ficou afastado por cinco meses do cargo de conselheiro da Itaipu Binacional, retornou ao cargo com sensação de vitória. O conselheiro diz que já tem reunião marcada para tratar da construção da ponte que liga o Brasil ao Paraguai e a rota bioceânica.

“Volto com muita satisfação e trabalhando muito firme na questão da construção da nossa ponte, a bioceânica que vai unir Porto Murtinho a Carmelo Peralta”.

O Conselheiro explica que, devido a tensões politicas no Paraguai, a construção teve um atraso. Dia 11 e 12 de novembro, Marun estará em Foz do Iguaçu, onde trata de planejamentos a respeito da ponte.

Além dessa questão, Carlos Marun diz que já participou de quatro reuniões no Conselho. E, agora, começa a discutir o que vai ser da Itaipu em 2023, quando o investimento que foi realizado na construção da Usina será quitado.

O ex-ministro comentou sobre criticas a respeito do cargo. “Essa conversa de que conselheiro só trabalha por Itaipu a cada dois meses é coisa de gente que não tem conhecimento sobre o funcionamento da empresa binacional. É a critica pela critica. Estou colocando que voltei há poucos dias e já participarei pela sexta vez de atividades ligadas ao funcionamento da empresa”.

Afastamento

Desembargador Rogério Favreto, do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª região), o afastou do cargo por liminar ao início de 2019. Dentre as justificativas estava a ação popular que citava o cargo e valor de R$ 27 mil de salário pelo comparecimento a duas reuniões mensais.

Após cinco meses, a 3° turma do próprio TRF 4 derrubou a liminar e o político voltou ao cargo. A juíza Vera Lúcia Feil Ponciano da 6ª Vara, julgou como a ação como improcedente.

Marun diz que a derrubada da liminar pela juíza era esperada e, por ser advogado, não sentiu surpresa, afinal a binacional não poder ser considerada uma estatal brasileira.

“Portanto, a lei das estatais brasileiras não tem validade sobre a gestão de Itaipu. Surpreendente foi a liminar do doutor Rogério Favreto me afastando e deixando Itaipu com um brasileiro a menos no Conselho”, diz.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER