Com dólar alto, comércio da Capital prega patriotismo para elevar vendas

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Alegando abertamente aderir à “onda nacionalista” no Brasil, e também de olho no dólar alto –que prejudica a concorrência do outro lado da fronteira com o Paraguai–, o comércio da área central de Campo Grande anunciou realizar entre 5 e 10 de setembro uma campanha de vendas alusiva à Semana da Pátria. A intenção é reunir cerca de 300 empresas que, durante o esforço promocional, oferecerão descontos de até 50% (ou até maiores, em alguns casos).

A ação da Semana da Pátria foi anunciada nesta terça-feira (3) na sede da CDL-CG (Câmara dos Dirigentes Lojistas de Campo Grande), decorada em verde e amarelo para ressaltar a bandeira do Brasil –enquanto associados à entidade usavam camisetas que ressaltavam o orgulho em ser lojista brasileiro. A banda do CMO (Comando Militar do Oeste) executou o Hino Nacional.

Presidente da CDL-CG, Adelaido Vila, afirmou que a associação “foi tomada pelo movimento nacionalista”, com a intenção de que a campanha “possa fazer parte da história de Campo Grande, sendo um ato importante na defesa da nossa pátria e desse sentimento de brasilidade”.

Presente ao lançamento da campanha, o chefe de Estado-Maior do CMO (Comando Militar do Oeste), o general de Brigada Giovani Carrião de Freitas deu boas-vindas à CDL na ação. “Há um ano sonhei que o Brasil voltasse a se orgulhar de suas cores. E o sentimento patriótico tem se diluído no nosso país. Essa iniciativa da CDL é uma forma de despertar esse sentimento”, pontuou. “Para mudarmos o nosso país, temos de começar por nossa casa”, emendou.

A campanha já deve contar com dois reforços nas próximas horas: o assessor especial do governo, Carlos Alberto Assis, destacou que o salário do funcionalismo estadual será disponibilizado para saque na quinta-feira (5) e, até o dia seguinte, devem ser pagos os proventos dos servidores municipais.

De olho na movimentação, a empresária Ester Azevedo disse que sua ótica prepara descontos especiais para servidores, entre 50% e 70%, na venda de lentes e armações. “Esperamos atrair mais clientes com essas promoções”, afirmou.

Adelaido considera que Black Friday na fronteira não é concorrente de ação de vendas na Capital. (Foto: Tainá Jara)

Concorrência – Centralizada na Semana da Pátria –que inclui o 7 de Setembro, data da Declaração de Independência do Brasil–, a campanha também terá como concorrente outro esforço de vendas que, anualmente, atrai milhares de consumidores às cidades na fronteira entre Brasil e Paraguai. A Black Friday começará também no dia 5, de olho no feriado brasileiro e envolvendo grandes lojas de departamentos de cidades como Pedro Juan Caballero, vizinha de Ponta Porã.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER