Ainda no papel, novo partido de Bolsonaro já almeja candidatura em Campo Grande

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Sigla está na fase de coleta de assinaturas e acredita que até fevereiro estará com tudo pronto para dar prosseguimento a criação

O recém anunciado Aliança pelo Brasil, novo partido do presidente Jair Bolsonaro, ainda não saiu do papel, mas já se articula regionalmente e pode contar com candidato a prefeito em Campo Grande no ano que vem. Quem garante é o deputado federal Luiz Ovando, que está a frente da organização da sigla em Mato Grosso do Sul.

Ainda filiado ao PSL, Ovando garante que assim que criada a nova legenda bolsonarista ele irá migrar de partido. Por ora, o Aliança está em fase de coleta de assinaturas, que devem obedecer algumas regras para que todas elas tenham validade e a criação da sigla se efetive no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

“No primeiro dia, sexta-feira (20), nós já tínhamos em Mato Grosso do Sul ultrapassado a metade da meta”, revela o parlamentar, que participou no sábado (21) de reunião com várias lideranças da Capital e interior do Estado. “Quanto mais, melhor”, disse.

Além disso, Ovando conta ainda que a meta final para o Estado é de 1.240 assinaturas – que devem ser de eleitores devidamente regulares e não filiados a nenhum outro partido. Os que estão no PSL ou outra legenda e querem participar da lista, devem se desfiliar para que a assinatura seja válida. Ela também não garante a filiação ao Aliança.

A meta para Mato Grosso do Sul equivale a 0,1% dos votos válidos na última eleição. “No início estivemos ao lado do presidente, e aqui sou praticamente o único deputado federal que esteve com ele [Bolsonaro] diretamente”, comenta Luiz Ovando.

Prefeitura de Campo Grande

Questionado sobre a possibilidade do Aliança ser criado antes das eleições de 2020 e lançar candidato para prefeito em Campo Grande, Ovando confirma a intenção. “Vamos tentar, conversar, discutir e conforme a manifestação do presidente nacional deve ser alguém escolhido. Provavelmente vai ter sim”, frisa.

Para ele, existem muitas pessoas com potencial eleitoral querendo ir para o Aliança pelo Brasil em Mato Grosso do Sul, mas tudo depende de análise e negociação consistente e precisa. Porém, por ora, o objetivo primário é habilitar o partido.

Regras

Segundo Ovando, é preciso pelo menos 490 mil assinaturas em pelo menos um terço dos estados, ou seja, nove deles. O prazo colocado pela organização em Brasília (DF) é o dia 7 de fevereiro, mas o prazo final no TSE é o dia 7 de março.

“É mais fácil procurar os cartórios notariais, que já tem ficha, assina e reconhece firma. Depois é só mandar por caixa postal. Está muito ágil”, conta o deputado, que está otimista sobre a abertura do Aliança ainda em 2020, que deve contar com um grande número de filiados que saíram do PSL.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER