Dedo de ouro e cunhada expõem escândalo entre poderes

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Suposto ‘acordão’ que silenciou gabinete teria incluído até garantia de vaga por via administrativa

Escândalo entre poderes deve levar em breve para dois ‘conselhões’ supostos bastidores de acordo que teria deixado novamente gabinetes do jeito que os corruptos gostam: deficientes à luz dos parâmetros de efetividade e resolutividade.

Ou seja, omissos, inertes e enrolados ao investigar amigos, apesar dos altíssimos salários recebidos pelos titulares. E, desta vez, exposição vazou com a cunhada do sujeito do dedo de ouro falando mais do que devia.

Confiante com ‘acordão’ no qual cunhadinho foi peça chave, a moça andou comemorando distintivo conseguido via decisão administrativa vexatória até para os maiores puxa-sacos. Provocou verdadeira guerra de liminares, mas continuou cantando vitória e espalhando detalhes da negociata que lhe garantiria acesso a carreira na qual não deu conta sequer de superar o processo seletivo em fases iniciais.

Escândalo entre poderes pode arrastar gabinetes para lama

Agora, com desfecho jurídico se aproximando, dossiê deve ‘ligar os pontos’ e envolver desde sujeito que abriu mão de inamovibilidade e gabinete de órgão vocacionado para capacho que encaminhou a suposta negociata, até políticos favorecidos diretamente.

Tudo porque, ‘dedo de ouro’ gosta de ser o maridão e, no embalo do acordão, teria lembrado da cunhada e incluído sutilmente no pacotão a garantia de vaga via tapetão.

Como as decisões administrativas flagrantemente ilegais e imorais foram questionadas, briga acabou em gabinetes que, dizem, inicialmente nada teriam diretamente com o rolo.

Mas não para aí. Além do suposto acerto para encabrestar gabinetes estratégicos e ‘dar sossego’ a políticos, dossiê deve agora implicar ainda desde educadores que assinaram decisão esdrúxula, advogados que atuaram em defesa de interesses particulares, quando não poderiam, e até gabinetes em outros poderes.

No fim das contas, deve ir todo mundo para o mesmo balaio.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER