Testemunha indicada por Sérgio Moro responde por corrupção ativa

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Grupo agia desde 2015 e prejuízo chega a R$ 45 mi

EDUARDO MIRANDA

O contador Nilton Aparecido Alves, uma das testemunhas que o ex-juiz e ministro da Justiça Sérgio Moro teria sugerido ao procurador Deltan Dallagnol para tentar incriminar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, é réu por corrupção ativa, em processo que tramita na 1ª Vara Criminal de Campo Grande.

Na Capital de Mato Grosso do Sul, ele foi denunciado por cinco promotores do Grupo de Apoio Especial e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) no dia 27 de março deste ano.

Em Curitiba, Moro então juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, conforme a Revista Veja e o The Intercept Brasil, relatou ao procurador ter recebido a informação de que uma pessoa fora instada “a lavrar escrituras de transferências de propriedade de um dos filhos do ex-­presidente (Luiz Inácio Lula da Silva)”. “Seriam dezenas de imóveis”, segundo Moro.

CORRUPÇÃO

Nilton é acusado pelo Gaeco, de pagar propina ao fiscal de renda estadual Moacir Antônio Marchini. O contador, conforme denúncia do Gaeco, é proprietário da N.A. Assessoria Contábil e da SportsEventos Assessoria Esportiva.

“Nilton disse para Moacir que pretendia vender um tronco pré-fabricado utilizado para passagem de gado em fazendas, mas sua empresa não possuía benefício fiscal para exportar e não queria pagar 17% (dezessete por cento) de ICMS”, alega o Gaeco.

O contador teve conversas via aplicativo What’s App interceptadas pela equipe do Gaeco, e que são usadas como prova na denúncia contra ele, por corrupção ativa, e contra o servidor, por corrupção passiva.

A organização criminosa foi denunciada pelos promotores Thalys Franklyn de Souza, Gerson Eduardo de Araujo, Marcos Roberto Dietz, Tiago Di Giulio Freire e Suzi Lucia Silvestre da Cruz D’Angelo.

Segundo eles, Nilton, Moacir, e também os outros réus Airton de Araújo (servidor), Adilton Cirico (empresário), Anderson Aparecido Costa Rodrigues (contador) e Edirson José Bezerra (contabilista), fraudaram o fisco de Mato Grosso do Sul em mais de R$ 44 milhões.

“Descobriu-se a existência de complexa organização criminosa, com flagrante divisão de tarefas, estruturada em pelo menos cinco núcleos, quais sejam, CORRETORES AGRÍCOLAS, NOTEIROS, TRANSPORTADORES, PRODUTORES RURAIS e SERVIDORES PÚBLICOS CORRUPTOS, cujo fim consistia na sonegação de tributos incidentes na comercialização e transporte de grãos produzidos em Mato Grosso do Sul, em especial do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços”, alegam os promotores.

LAVA JATO

Depois de ter recebido a sugestão de Sérgio Moro via aplicativo Telegram, Dallagnol, vinte e quatro minutos depois da mensagem, disse que tentou entrar em contato com Nilton, o técnico em contabilidade, mas a testemunha “arriou”, “disse que não tem nada a falar” e, “quando dei uma pressionada”, relata o procurador, “desligou na minha cara”.

Na mensagem publicada inicialmente pelo The Intercept Brasil, logo depois de tentar, sem sucesso, falar com Nilton, Dalla­­gnol diz a Sergio Moro que estava pensando em intimar o técnico em contabilidade, se necessário, “até com base em notícia apócrifa”. Moro concordou em formalizar a intimação, mas não fica claro se ele avalizou a ideia de forjar a origem da denúncia.

O juiz sugere a Dalla­­gnol que procure o homem que ouviu a história do técnico em contabilidade, e, de novo, passa as coordenadas. Eles chegam a Mário César Neves, dono do Posto Platinão, na BR-163, em Campo Grande. Mário confirmou à revista Veja ter sido procurado por um representante do Ministério Público Federal em dezembro de 2015.

“O pessoal do Ministério Público me ligou, não sei mais o nome da pessoa, mas ela queria saber quem era o Nilton, que serviços ele prestava e como poderia encontrá-­lo”, disse à revista.

O Correio do Estado tentou, nesta tarde, entrar em contato com Nilton Aparecido Alves e também com Márcio César Neves. Nenhum dos dois foram encontrados em suas respectivas empresas em Campo Grande.

No escritório de Nilton, a equipe do Correio do Estado nem sequer foi autorizada a subir no edifício onde a sala dele está localizada.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER