Temporal no RJ deixa três mortos e dois desaparecidos; cidade segue em estágio de crise

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print
Pelo menos três pessoas morreram em razão das fortes chuvas que atingem o Rio de Janeiro desde o início da noite desta quarta-feira, 6. A informação foi confirmada pela Prefeitura da capital fluminense. O prefeito Marcelo Crivella decretou luto oficial de três dias. O temporal também causou um deslizamento que provocou o desabamento de um trecho da Ciclovia Tim Maia.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, duas pessoas morreram durante o desabamento de uma casa em Guaratiba, na zona oeste da cidade. No mesmo local, outros dois homens ficaram feridos e foram encaminhados ao Hospital Municipal Lourenço Jorge. A terceira vítima morreu na Rocinha, zona sul da cidade, ao ficar soterrada em uma casa após o deslizamento de uma barreira.

No morro do Vidigal, as chuvas provocaram deslizamentos de terra que atingiram dois ônibus na Avenida Niemeyer, também na zona sul. O Centro de Operações da Prefeitura do Rio informou nesta quinta-feira, 7, que a via permanecerá totalmente interditada nos dois sentidos até a conclusão dos trabalhos das equipes da Prefeitura e do Corpo de Bombeiros. A orientação é que os motoristas que precisarem trafegar entre a Gávea e São Conrado nesta manhã acessem o Túnel Zuzu Angel.

Dentro de um dos ônibus, que foi esmagado por uma árvore e onde os bombeiros ainda não conseguiram entrar, acredita-se haver dois passageiros, de acordo com Crivella.

No total, 64 árvores caíram e 17 bolsões de alagamentos foram formados nas ruas do Rio. Crivella afirmou que 600 agentes da Prefeitura trabalham para amenizar os efeitos das chuvas pela cidade.

A Defesa Civil municipal registrou 19 ocorrências das 17h30 às 5h31 desta quinta-feira. Na estação Forte de Copacabana, a medição mostrou rajadas de vento de mais de 100 km/h.

Rio em estágio de crise

O Centro de Operações informou que a cidade entrou em estágio de crise às 22h15 de quarta-feira diante das fortes chuvas, com intensas rajadas de vento. O fenômeno causou alagamentos em ruas e estabelecimentos comerciais, interditou vias e deixou bairros às escuras. A administração municipal recomendou que a população somente se desloque “em caso de extrema necessidade” e alertou que moradores de áreas de risco precisam ficar atentos aos alertas sonoros.

O estágio de crise é o terceiro nível em uma escala de três e significa chuva forte a muito forte nas próximas horas, podendo causar alagamentos e deslizamentos.

As sirenes da Rocinha e Sítio Pai João foram acionadas às 21h48 para indicar aos moradores que desocupassem as residências e se encaminhassem a pontos de apoio. Um vídeo que circula nas redes sociais mostra um homem sendo arrastado pela água na região, mas ele não sofreu ferimentos graves.

Outro vídeo mostra o saguão do Hotel Sheraton, um dos mais luxuosos do Rio, completamente alagado e pessoas caminhando com água nos joelhos.

Os transportes circulam normalmente na cidade na manhã desta quinta, segundo as concessionárias.

Recomendações e previsão para esta quinta

Diante da situação, a Prefeitura recomendou que os motoristas evitem as vias alagadas e alertou a população para evitar contato com postes ou equipamentos que possam estar energizados. “Moradores de áreas de risco precisam ficar atentos aos alertas sonoros. O acionamento das sirenes indica perigo de deslizamento. As pessoas devem se deslocar para os pontos de apoio estabelecidos pela Defesa Civil. Os locais são informados pelo número 199″, detalhou o Centro de Operações.A previsão para esta quinta é de chuva fraca a moderada e a cidade deve permanecer em estágio de crise. De acordo com o Sistema Alerta Rio, o dia deve ser de tempo instável na capital em razão da formação de um sistema de baixa pressão no oceano. As temperaturas ficarão estáveis, com máxima prevista de 30°C e a mínima de 18°C. / Com Agência Brasil

Print Friendly, PDF & Email
HIPER