Tapete de Corpus Christi muda de endereço e fica maior em Campo Grande

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Tradicional celebração da igreja católica teve de se adaptar devido às obras na Rua 14 de Julho

Amanda Amaral

Acontece na próxima quinta-feira (20) a comemoração do dia de Corpus Christi, solenidade do Corpo e Sangue de Cristo da igreja católica. Em Campo Grande, a tradição do tapete de imagens feitas de serragem colorida no asfalto muda da Rua 14 de Julho para a 13 de Maio, a partir da Rua Antônio Maria Coelho.

O motivo da transferência é que o trecho anterior está em obras do projeto Reviva Campo Grande, da prefeitura municipal. A mudança fez o tapete ficar maior, de 1,1 km em 2018 para 1,3 km em 2019.

O anúncio foi feito em coletiva de imprensa nesta terça-feira (18) no Auditório da Cúria Metropolitana, com a presença do arcebispo metropolitano da Arquidiocese de Campo Grande, Dom Dimas Barbosa, e o coordenador diocesano de pastoral Padre Diocesano de Pastoral.

“Neste ano serão 48 paróquias participantes no tapete, para a celebração desta festa antiga da igreja, um verdadeiro testemunho público da fé. Dessa vez em outro lugar e sem começar na Avenida Mato Grosso, devido à proximidade da Santa Casa, em respeito aos pacientes”, explica Dom Dimas.

A marcação da metragem de cada participante acontece no meio da madrugada e, antes mesmo de amanhecer, já é iniciada a confecção do tapete. São esperados cerca de mil voluntários participantes e público que supera o do ano anterior, que foi de cerca de 25 mil fiéis.

Durante a manhã do mesmo dia, acontece a visita de sacerdotes e a presenta do Santíssimo Sacramento a ‘lugares de sofrimento’, 17 hospitais, três presídios, três Uneis (Unidades Educacionais de Internação). Às 15h, acontece a missa campal celebrada pelo clero de Campo Grande, e em seguida procissão com o Santíssimo.

A celebração acontece no cruzamento das ruas Antônio Maria Coelho e 13 de maio. Segundo Dom Dimas, há a possibilidade que o local seja o novo endereço fixo da tradição.

“Creio que depois da revitalização do Centro não possamos mais realizar as atividades ali, o que não tem problema nenhum, mas ainda não sabemos ao certo. Está tudo organizado para a quinta-feira”, finaliza.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER