Sob ameaça, matas do Parque dos Poderes abrigam espécies raras do Cerrado

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Pressionadas pelo crescimento urbano, as matas remanescentes do Parque dos Poderes – condomínio criado no início da década de 1980 para abrigar as repartições públicas estaduais – são o refúgio de espécies raras da fauna e flora do Cerrado. Mais de uma centena de espécies de pássaros já foram observados na região, além de répteis e mamíferos de variados tamanhos, desde cutia até anta. A convivência com os frequentadores do parque (servidores públicos em especial) nem sempre é tranquila, porém a pior ameaça é o desmatamento crescente motivado pela expansão de prédios, estacionamentos e novas vias públicas.

“O Complexo do Parque dos Poderes é reduto de uma rica diversidade biológica ameaçada pelo desmatamento. A gente percebe a sensibilidade deste local, a importância do Parque dos Poderes para a conservação destas aves. Por isso, ele tem que ser mantido preservado”, completa.

Audiência

Simone integra – ao lado de outras lideranças da sociedade – o Movimento pela Preservação da Natureza, grupo que se formou com o objetivo de buscar soluções para os graves problemas ambientais que impactam a região do Parque dos Poderes, Parque das Nações Indígenas, Parque do Prosa e Chácaras Cachoeira, mancha verde da cidade conhecida por Complexo do Parque dos Poderes.

O grupo solicitou, por intermédio do deputado estadual Felipe Orro (PSDB), a realização de uma audiência pública na Assembleia Legislativa para a próxima terça-feira (14), quando toda essa temática será abordada. De pronto, o deputado – que é vice-presidente da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia, abraçou a causa. “Temos que nos empenhar na defesa efetiva da fauna, flora e belezas naturais do Complexo do Parque dos Poderes”, disse.

Os integrantes do Movimento afirmam que já existem ferramentas da engenharia que possibilitam soluções imediatas à problemática. Eles listam a necessidade de várias intervenções, mas isso após a realização de um diagnóstico preciso. “A intervenção no Parque deve ser estruturante e sustentável”, afirmou o advogado Lairson Palermo.

Ameaças

O desmatamento do Complexo do Parque dos Poderes coloca em risco toda sua biodiversidade. São mais de 230 espécies de aves que fazem dessas matas seu habitat, entre elas estão o mutum e a jacutinga, vistas com muita frequência. O local também é ponto de parada para aves migratórias, afirmam os ambientalistas.

Além das aves, diversas espécies de mamíferos vivem no Parque, algumas ameaçadas de extinção. “Temos o tamanduá bandeira, a própria anta que a gente já tem registros dentro do Parque dos Poderes, enfim, existe uma riqueza muito significativa e temos que ter um olhar peculiar. Qualquer desmatamento vai ser prejudicial à biodiversidade. Sem falar da qualidade deste ambiente para a comunidade em geral, o conforto térmico que proporciona, o lazer. Portanto, diante de tudo isso a gente tem que pensar uma melhor proteção deste espaço”, enfatiza a bióloga.

Serviço: A Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul realiza a Audiência Pública “Impactos Ambientais no Complexo do Parque dos Poderes” nesta terça-feira, dia 14, a partir das 19h, no Plenário Julio Maia. A entrada é franca a todas as pessoas, sem necessidade de inscrição. Mais informações pelo telefone: 67-3389-6302. 

Assessoria de Imprensa Gabinete Felipe Orro

Print Friendly, PDF & Email
HIPER