Simone Tebet busca apoio do PSD e da bancada feminina para disputar presidência do Senado

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

A senadora conversa com parlamentares independentes para consolidar candidatura; Renan Calheiros tenta emplacar outros candidatos e se torna ‘pedra no sapato’ da parlamentar

Rayani Santa Cruz

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) busca apoio da bancada do PSD, bancada feminina e senadores independentes para consolidar a candidatura à presidência do Senado pelo MDB. A estratégia da parlamentar é buscar votos fora do partido.

O deputado Baleia Rossi (MDB-SP), que é presidente nacional da sigla, também dá sinais que prefere Tebet, mas o senador Renan Calheiros (MDB-AL) pode ser um empecilho, já que nos bastidores movimenta outros nomes.

Em reunião, o MDB decidiu que o partido terá um candidato único na eleição e Simone tenta convencê-los de que o cenário pede mudança equilibrada. “É agora que o jogo começa, mas é certo que não seria candidata se não tivesse tido conversas com outros parlamentares.  O MDB hoje tem consciência de que o adversário não está dentro do partido e precisa buscar os votos fora”, disse Simone, que acredita na unidade partidária.

Como a sigla tem 13 senadores e é a maioria no Senado, pode eleger um presidente. Além de Simone, o MDB tem mais três candidatos: Eduardo Braga (líder do partido no Senado), Eduardo Gomes (líder do Governo no Congresso) e Fernando Bezerra (líder do Governo no Senado).

Pedra no sapato

O senador Renan Calheiros tenta ganhar espaço novamente na Casa. Ele já foi presidente por três vezes e tenta emplacar as candidaturas de Marcelo Castro (PI) e Márcio Bittar (AC), conforme a CNN Brasil. Calheiros não é próximo de Simone e dá a entender ser contra a investidura.

Há dois anos, quando Davi Alcolumbre (DEM) ganhou a eleição, o MDB havia rachado na disputa entre Renan Calheiros e Simone Tebet. A disputa interna não é saudável, segundo a senadora.  “Não ter proporcionalidade, significa transformar o Senado em balcão de negócios. Isso não é saudável para a democracia”.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER
posto