Senadora sul-mato-grossense pode ser a primeira mulher a presidir o Senado

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Simone diz que candidatura dela não é nem de situação nem de oposição

Em entrevista após o anúncio de sua indicação para disputar a presidência do Senado, a senadora Simone Tebet (MDB-MS) disse que a candidatura dela não é “nem de situação nem de oposição ao governo”.

Senadora sul-mato-grossense pode ser a primeira mulher a presidir o Senado.

“É uma candidatura de independência harmônica entre os poderes e a favor do Brasil. E essa harmonia exige de qualquer futuro presidente do Senado diálogo com o governo federal e, mais do que isso, apostar, trazer, colocar em pauta e votar. O plenário é soberano, qualquer projeto de qualquer presidente da República”, disse Simone.

A palavra “independência” também aparece na nota divulgada pelo MDB após a reunião desta terça. O partido diz que essa postura no comando do Legislativo é “de fundamental importância neste período de crise”.

“O interesse público precisa estar acima de qualquer disputa ideológica e política na reconstrução da economia e na imunização universal e gratuita contra a Covid-19”, afirma o documento divulgado pela legenda.

O MDB também disse ter compromisso com a responsabilidade fiscal e social, com a agenda de reformas estruturais “urgentes”, com a sustentabilidade ambiental, com a redução das desigualdades e a adoção de políticas de diminuição do desemprego e de retomada econômica.

Simone Tebet afirmou que, se eleita, a pauta da economia será prioridade no Senado. Questionada sobre a adoção de um novo programa de auxílio emergencial por causa da pandemia, a senadora declarou que esse é um “compromisso com as pessoas e com o país”.

“O auxílio emergencial, com responsabilidade, desde que tenhamos responsabilidade fiscal, possamos fazer uma análise criteriosa sobre o cadastro – quantos receberam indevidamente – para poder beneficiar quem está precisando. É uma agenda de um país que começa a passar fome. Então o auxílio emergencial, com responsabilidade, observando os critérios da Lei de Responsabilidade Fiscal, com o teto de gastos, ainda que com menor valor, tem que sim estar na agenda de qualquer candidato para ser tratada com os líderes”, disse a candidata do MDB.

Questionada sobre articulação com o presidente Jair Bolsonaro, Simone diz que os emedebistas que são líderes do governo devem comunicar a Bolsonaro a candidatura emedebista.

Nos bastidores, a informação é de que Bolsonaro tem maior simpatia pelo nome de Rodrigo Pacheco, aproximação articulada por Davi Alcolumbre.

“O MDB não vem para qualquer tipo de tensão entre as instituições e os Poderes. Este é um momento de harmonia. Ou nós entendemos que a independência significa harmonia ou vamos desconstruir este país”, afirmou a emedebista.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER