“Se Simone sair eu vou sair também”, diz Eduardo Rocha sobre partido

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Para ele, Simone deveria ser presidente nacional do MDB

Maressa Mendonça, Izabela Jornada e Adilson Trindade

O deputado estadual de Mato Grosso do Sul Eduardo Rocha (MDB) disse, nesta terça-feira (5), que se a senadora Simone Tebet (MDB) deixar o partido, ele também deixará.  Para ele, Simone deveria ser presidente nacional do Movimento Democrático Brasileiro. “Mas o partido não quer isso”, lamentou.

“Não dá pra viver com esse bando de corjas”, declarou Rocha, sem citar nomes. Ele disse ainda que, o MDB se entregou ao Partido dos Trabalhadores. “Não temos problemas com o MDB daqui, ma, as ofensas que o Renan Calheiros fez a nossa família são graves. Se sairmos temos simpatia com o democratas e com o PSDB”, finalizou.

A CONFUSÃO

Simone Tebet decidiu enfrentar o senador Renan Calheiros (AL) na bancada e no plenário, no qual ela votou em Davi Alcolumbre (DEM-AP), e não no correligionário para assumir a presidência do Senado. Por isso, ela foi ameaçada por Renan de ser expulsa do partido.

O MDB foi o partido do seu pai, o senador falecido Ramez Tebet, no qual fez história na política. Mas Simone sente a pressão para pular do barco emedebista.

Simone já havia alertado sobre as consequências de eventual saída sua do MDB, porque muitas lideranças do Estado poderão acompanhá-la. É o caso do marido dela, o deputado estadual Eduardo Rocha.

Ela disse ter sido procurada pelo senador Major Olímpio (SP) para filiar-se ao PSL do presidente Jair Bolsonaro. As lideranças nacionais do PSDB e do DEM também a convidaram para filiação. O senador Nelsinho Trad (MS) prometeu estender o tapete para recebê-la no PSD.

Por enquanto, Simone prefere continuar lutando para recuperação do MDB.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER