‘Se quebrou a confiança, vai ser demitido sumariamente’, diz Bolsonaro sobre diretor do Inpe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

O presidente Jair Bolsonaro comentou nesta 5ª feira (1º.ago.2019) a possibilidade de demitir o diretor do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), Ricardo Galvão. “Se quebrou a confiança, vai ser demitido sumariamente”, disse o presidente.

A declaração de Bolsonaro foi feita durante conversa com jornalistas no Palácio do Planalto para falar sobre a divulgação de dados sobre o desmatamento.

A entrevista, que contou com a presença dos ministros Ricardo Salles (Meio Ambiente), Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Augusto Heleno (Segurança Institucional), serviu para que o governo contestasse dados do Inpe.

Satélites do Instituto apontam que 1.864 km² de florestas na Amazônia foram derrubados até 26 de julho –o que representa 1 crescimento de 212% em relação ao mesmo mês de 2018.

De acordo com dados do Deter (Detecção de Desmatamento em Tempo Real), sistema do Inpe que capta imagens de monitoramento ambiental, o desmatamento cresceu 88% em junho na comparação com o mesmo período de 2018 e atingiu atingiu 920,4 km².

“O que preocupa mais aqueles que têm sentimento de brasilidade, que têm 1 amor pelo país, como todos deveriam ter, é que esses dados prejudicam muito a imagem do Brasil. Se fossem dados corretos, era preocupante e seria conveniente que nós não alardeássemos isso e que nós cuidássemos do problema internamente, procurássemos corrigir o que está errado”, disse Heleno.

E completou: “Sendo dados falsos, é muito grave, porque isso prejudica o comércio brasileiro, prejudica a imagem do Brasil, nos coloca como grande destruir do meio ambiente na humanidade. São imagens que depois ficam muito difícil de resgatar. Isso é o que nos aflige, é a falta de honestidade intelectual”.

O ministro Ricardo Salles fez uma apresentação durante a entrevista na qual afirmou que o desmatamento divulgado pelo Deper em junho já se deu em meses anteriores. Esse “salto de 88% [de desmatamento em junho de 2019] não é verdade”, disse Salles.

“A nossa preocupação não é trabalhar para criar número, seja número qual for. É dizer que o número, da forma como foi apresentado, e a análise que foi feita, não estava correta”, afirmou Salles ao ser questionado por jornalistas sobre qual seria a porcentagem de desmatamento registrado em junho.

Bolsonaro disse durante a entrevista que há pessoas dentro do Inpe interessada em “desgastar a imagem do Brasil”.

“Não quero afirmar, mas uma notícia como essa [crescimento do desmatamento na Amazônia], que não condiz com a verdade, tem um estrago muito grande na imagem do Brasil. Parece que tem gente interessada nisso, que não é a imprensa, porque o dado saiu lá de dentro [do Inpe], dos órgãos nossos”, declarou o presidente.

“Acho até que, aprofundando os estudos, ver se as pessoas divulgaram de má-fé esses informes para prejudicar o governo atual e desgastar a imagem do Brasil”, disse Bolsonaro.

NOVO SISTEMA

O ministro do Meio Ambiente anunciou na coletiva que o governo abrirá uma licitação, junto ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), para contratar 1 novo sistema de monitoramento ambiental.

Salles criticou o uso de dados do Deter para comparar mês a mês áreas desmatadas.

“Queremos manter o sistema do Deter, ajudando a equipe, ajudando o Inpe para que tenha melhores serviços. Uma forma de ajudarmos é complementar as informações do sistema do Deter também com outras imagens de alta resolução que fornecessem o detalhamento dos polígonos de um dia para o outro”, declarou Salles.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER