Rose representará MS em assinatura para início de obras

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Projeto para fronteira de Porto Murtinho começa em 2019

RAFAEL RIBEIRO

A vice-governadora de Mato Grosso do Sul, Rose Modesto (PSDB), embarcou na manhã desta sexta-feira (21) para representar o Estado na assinatura do acordo histórico entre os presidentes do Brasil e Paraguai para a construção da ponte sobre o Rio Paraguai, em Porto Murtinho, que permitirá a integração rodoviária até o Chile. O evento ocorre nesta tarde em Foz do Iguaçu, no Paraná.

“Tirar esse projeto da ponte do papel irá finalmente permitir a integração brasileira por um corredor rodoviário não somente com o Paraguai, mas passando pela Argentina e até Antofagasta, no Chile. Logisticamente, nossos produtos terão de percorrer oito mil quilômetros a menos nas exportações para a Ásia, o que nos dará enorme ganho de competitividade”, disse a vice-governadora. “Além disso, essa integração trará benefícios culturais, para o turismo e um impacto social extremamente positivo.”

O acordo entre os dois países será assinado pelos presidentes Michel Temer e Mario Abdo Benitez, do Paraguai.

Além da ponte em Porto Murtinho, uma outra travessia será erguida sobre o Rio Paraná, em Foz do Iguaçu. Ambas serão custeadas com recursos da Itaipu Binacional. O custo previsto é de mais de R$ 1 bilhão e as obras deverão ser concluídas nos próximos três anos.

O titular da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, acompanha a vice-governadora na assinatura do acordo entre os dois países.

O ato protocolar sera feito em área industrial da usina hidrelétrica. Uma das pontes será construída sobre o Rio Paraguai, ligando o município de Porto Murtinho, no Mato Grosso do Sul, a Carmelo Peralta, no Paraguai. A outra  será construída no Rio Paraná, entre o bairro Porto Meira, em Foz do Iguaçu, e o município paraguaio de Puerto Franco, vizinho a Ciudad del Este, onde está localizada a Ponte Internacional da Amizade.

O financiamento das pontes pela Itaipu Binacional foi autorizado por parecer  da Advocacia-Geral da União (AGU), assinado segunda-feira. Segundo  a  AGU, “as  duas  obras  fazem  parte  de acordos internacionais celebrados entre os dois países, mas ainda não foram realizadas em razão de restrições orçamentárias”.

Ainda  de  acordo  com  a  AGU,  a construção das pontes está “em consonância com os atos  constitutivos da Itaipu Binacional, que admitem claramente  a  possibilidade  de realizar projetos com vistas a desenvolver infraestruturas não diretamente relacionadas às instalações da organização, mas  relacionadas  ao  bem-estar  da  comunidade local e ao desenvolvimento regional, de modo que tanto a segunda (em Foz) quanto a terceira ponte (no MS)  em  questão estariam abarcadas em suas diretrizes e objetivos estratégicos”.  O  parecer  da AGU era o último detalhe jurídico que faltava para que os  presidentes do Brasil e do Paraguai pudessem assinar a autorização para a  obra.

As  obras não devem  onerar  o custo da energia comercializado pela hidrelétrica  binacional, pois a tarifa de Itaipu está congelada em dólar e não  há  previsão de reajuste. O diretor-geral brasileiro de Itaipu, Marcos Stamm, afirma  que  o financiamento das pontes pela usina “vai desonerar o Tesouro, sem nenhum custo adicional para o consumidor de energia”.

O custo total previsto para essas duas pontes é de US$ 270 milhões, pouco  mais  de  R$  1 bilhão,investidos ao longo dos próximos dois anos e meio a três anos, prazo também previsto para a conclusão das obras. Pelo que foi acordado entre os dois governos e pela diretoria de Itaipu, a parte paraguaia da usina financiará a construção da ponte no Mato Grosso do Sul e a  margem  brasileira  entrará  com recursos para a ponte em Foz do Iguaçu.

Agora,  os  projetos  devem  ficar  a  cargo  do  Departamento  Nacional de Infraestrutura  (Dnit). Os procedimentos  para a  construção  devem  ser iniciados já a partir do ano que vem.

EXPORTAÇÃO

A ponte sobre o Rio Paraguai, que ligará o MS ao Paraguai, entre Porto Murtinho e Carmelo Peralta, será fundamental para criar uma nova rota de exportação e importação. Para os produtores de grãos do Estado, será criada uma nova logística de transporte, já que a ponte é uma das bases fundamentais para a ligação com os portos do Pacífico, depois de atravessar todo o Paraguai, que se tornará um “hub” regional de exportação e importação.

O país já está desenvolvendo obras rodoviárias para permitir o acesso de MS aos portos chilenos, o que, para os produtores, representará uma redução nos custos de exportação para os países da Ásia, principalmente. A criação da nova rota para o Pacífico também incrementará as importações e exportações, tanto da Ásia quanto entre os países vizinhos, como o Chile, a Bolívia e a Argentina, além do próprio Paraguai.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER