Pescadores propõem redução gradativa da cota até metade da atual

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Governo quer que pesca amadora seja executada exclusivamente no sistema pesque e solte, a partir de 2020

TAINÁ JARA

Os pescadores amadores constrários ao decreto de “cota zero”, anunciado no início do no pelo governador Reinaldo Azambuja, propõem a redução gradativa da cota permitida atualmente até o limite de apenas 5 kg de pescado mais um exemplar. Por outro lado, a administração estadual defende que a pesca amadora seja executada exclusivamente no sistema pesque e solte, a partir de 2020.

De acordo com o secretário adjunto da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Ricardo Senna, a minuta do decreto estabelece a redução da cota para 5 kg de pescado mais um exemplar e cinco piranhas, a partir deste ano. Atualmente, o valor permitido é 10 kg, e mais um exemplar e cinco piranhas. “A intenção não é proibir a pesca no estado e nem criminalizar ninguém”, afirmou.

Representante dos pescadores contrários a medida, a advogada Étila Guedes, explica que mais urgente do que a extinção da cota é a intensificação ao combate da pesca predatória. “Há questões como o tráfico de peixes e do mercado negro que precisam de atenção do poder público”.

Pescador amador, o militar da reserva Áurio Quadros Leite, 53 anos, é de Aquidauna, cidade distante 139 quilômetros de Campo Grande, e lembra que a medida pode ter um grande impacto econômico para os municípios onde a atividade é praticada. “Someme em Aquidauana e Anastácio tem cinco estabelecimentos que vendem iscas de pesca, além do pessoal que vende utensílios, barcos, fora o setor hoteleiro e pousadas”.

O Imasul alega que a medida tem como foco a conservação da biodiversidade, devido a redução do estoque de pescado nas bacias do Paraguai e do Paraná. Apesar das restrições, o decreto também permite a pesca amadora nas calhas dos rios Paraná e Paraguai, a partir de fevereiro de 2020.

O assunto foi debatido em audência pública na Ordem dos Advogados do Brasil, seccional de Mato Grosso do Sul (OAB/MS), na noite desta quarta-feira.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER