Pecuaristas de MS produzem três vezes mais do que média nacional

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Entrevistados produzem mais de 18 arrobas por hectare/ano

ALINE OLIVEIRA E BRUNA AQUINO

A pecuária de corte em Mato Grosso do Sul registra mais um resultado positivo em avaliação de produtividade. Cerca de 20% dos produtores rurais entrevistados pela equipe técnica do Rally da Pecuária produzem mais de 18 arrobas por hectare/ano e representam 49% das vendas totais, na amostragem realizada nas três últimas edições.

O índice produtivo do Estado é três vezes maior do que a média nacional que é de pouco mais de 5 arrobas por hectare/ano, explica o coordenador da pesquisa, Maurício Palma Nogueira.

“O objetivo principal do nosso trabalho é visitar as principais regiões de pecuária do País e coletar informações com os produtores que depois serão apresentadas em formato de relatório. Para que isso aconteça atuamos em três frentes: visitas às propriedades com entrevistas in loco, organização de eventos e oficinas, além de amostragem aleatória de dados sobre pastagens”, detalha.

Ao final, o resultado é compilado e divulgado em forma de relatório no portal do Rally da Pecuária. A versão de acesso público é mais resumida, mas, contém dados relevantes e atualizados. Já o relatório completo é enviado para patrocinadores e produtores participantes da pesquisa.

DESENVOLVIMENTO

Palma reforça que ao longo dos anos, a atividade pecuária tem se aperfeiçoado de forma geral, em função da adoção de tecnologias e dos sistemas produtivos.

“Podemos antecipar que a qualidade do rebanho possibilita um aumento de 6 a 8% no valor do rebanho. Quando um produtor tem baixa produtividade ele não consegue aumentar os ganhos, porque produz pouco. Em contrapartida, quem investe nesse quesito terá maior lucratividade”, pontua o especialista.

Ao todo, a expedição técnica percorrerá 50 mil quilômetros, nas principais regiões pecuárias de 10 estados: Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Tocantins, Pará, Mato Grosso e Rondônia.

Em dois dias, o grupo visitou 16 propriedades rurais de Mato Grosso do Sul, nas cidades de Caarapó, Campo Grande e Jardim. Questionado sobre os diferenciais encontrados nos rebanhos de uma região para outra, o coordenador do rally aponta:

“Não dá para rotular essa ou aquela região, pois, existem vários sistemas de produção. Observamos com muito cuidado, porque é um projeto grande a e a atividade pecuária também. No entanto, um exemplo que posso citar é o ganho de peso de carcaça em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, em relação a outras regiões do país”, observa.

Outros fatores relevantes observados no caso sul-mato-grossense são o aumento na quantidade de confinamento em propriedades, qualidade no manejo e cuidado com as pastagens e avanço no pacote tecnológico.

ATUALIZAÇÃO DO MERCADO

Na passagem por Jardim, a equipe realizou um evento para os produtores rurais da região denominado “É tempo de colheita! A pecuária em fase de alta”. Já em Campo Grande, uma oficina sobre produtividade atulizou os convidados sobre o cenário da pecuária de corte em todo país.

“Entre os temas apresentados estão perspectivas de longo prazo para o setor, e aproveitamos para esclarecer e tirar dúvidas de temas polêmicos envolvendo o setor. Infelizmente, existe um grande sensacionalismo contra a pecuária e por isso, os empresários precisam estar atentos. Além disso, reforçar que é preciso concentrar esforços para aumentar a produtividade, pois, quem não se atentar pode ter prejuízos”, conclui.

Nogueira antecipa que para 2020, o Rally da Pecuária terá uma programação especial, em função de completar 10 anos de atividade. “Além de planejarmos a publicação de um anuário com as compilações de cada edição, queremos permacer mais tempo aqui no Estado, a fim de acompanhar o desenvolvimento da pecuária regional”, finaliza.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER