Obra de ponte no Rio Paraguai só deve ter início no ano que vem

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Segundo ministro Marun, conselho de Itaipu está debatendo a liberação dos recursos

EDUARDO FREGATTO

Construção da ponte sobre o Rio Paraguai, ligando as cidades de Porto Murtinho e Carmelo Peralta, no país vizinho, e que abre caminho para Rota Bioceânica, já foi aprovada pela diretoria da Hidrelétrica de Itaipu Binacional, que se comprometeu a custear a obra. Agora, segundo informações do ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB), o assunto será debatido pelo conselho da hidrelétrica, que também precisa aprovar a medida. Ontem, as discussões já tiveram início.

Marun adiantou ainda que a obra não deve começar neste ano, e que o investimento total será de US$ 70 milhões (cerca de R$ 267,55 milhões). Além da ponte sobre o Rio Paraguai, Itaipu também deve bancar a construção de uma ponte no Paraná (Foz do Iguaçu-Presidente Franco), que já está em estágio mais avançado. “A obra de Foz deve iniciar ainda em 2018, porque já está licitada, pronta para ser iniciada, só falta [liberar] o recurso”, afirmou o ministro.

Os dois projetos de pontes foram incluídos no esforço do governo federal intitulado “Desafio chave de ouro”, que pretendia iniciar, concluir ou avançar 20 obras e projetos até o fim do mandato do presidente Michel Temer (MDB). Esse esforço foi anunciado em outubro, com o remanejamento de R$ 1 bilhão que estavam previstos para outros projetos que não receberiam o recurso ainda este ano.

IMPORTÂNCIA

“A ponte de Foz está completamente ultrapassada diante da demanda atual. E a ponte aqui, sobre o Rio Paraguai, abre a possibildiade de rota bioceânica que é muito importante para a logística brasileira, da América do Sul e de Mato Grosso do Sul”, argumentou Marun.

O governo tinha o objetivo de dar início às construções das pontes ainda este ano. Contudo, a burocracia e  uma decisão do  Tribunal de Contas da União (TCU) impossibilitaram que a Superintendência do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit-MS) usasse os R$ 56,8 milhões previstos no Orçamento da União de 2018 para contratar projeto em Porto Murtinho. A obra é primordial para viabilizar a Rota Bioceânica.

Sem a ponte, a Rota Bioceânica – que vai cruzar o Paraguai, a Argentina e o Chile –,  fica comprometida, já que transpor o Rio Paraguai é essencial para possibilitar o escoamento da produção mato-grossense até os portos do Oceano Pacífico.

O Corredor Bioceânico vai reduzir em oito mil quilômetros a rota na exportação de produtores de Mato Grosso do Sul e de outros estados do Centro-Oeste para a Ásia, quando comparado com o escoamento realizado pelos portos do Sudeste e do Sul do Brasil. O ganho de tempo no transporte das exportações, cerca de seis dias a menos, irá implicar em ganho de competitividade.

PARAGUAI

Enquanto o governo brasileiro atrasa o inicio da construção da ponte, o Paraguai iniciou, no mês passado, o projeto de pavimentar 277 quilômetros da rodovia Transchaco, no trecho que liga Carmelo Peralta, na divisa com Porto Murtinho (MS), a Loma Plata, no Departamento de Boquerón. Outros 382 quilômetros de rodovias paraguaias devem ter a pavimentação concluída em 2020.

(Colaborou Clodoaldo Silva)

Print Friendly, PDF & Email
HIPER