NO LIMITE: Praça Silvio Ferreira e Prédios abandonados vira moradia de andarilhos, denuncia população há mais de 3 anos

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print
Andarilhos

Além disso, infraestrutura precária, passeios públicos danificados, muitas das vezes a ausência de iluminação em alguns pontos também preocupam.

O descaso com a Praça, sujeiras, folhas, terras, águas empossadas, etc…

Tal situação tem incomodado a população que mora em volta da Praça, onde famílias que eram para aproveitarem fazendo o seu laser e interagindo com as pessoas, são impedidas de fazê-los.

“Costumo vir aqui sim, só que mais aos fins de semana. As vezes eu vejo o carro da polícia, mas às vezes, durante o dia, tem pedintes que passam por aqui querendo dinheiro. Acho que são usuários de drogas. Me incomoda porque como eu tenho crianças, a gente acaba ficando com um pouco de receio. Eu não entro muito dentro da praça, tenho medo de ficar andando”, disse a autônoma e mãe de três adolescente.

Se durante o dia os pais tem receio, ao anoitecer a situação parece piorar. A idosa Senhora Elenita de Figueiredo, moradora ao lado da Catedral São José há mais de 70 anos, disse que no período noturno a movimentação de pedintes é intensa. “De noite isso aqui fica uma confusão. Os andarilhos chegam aqui, às vezes atrapalha o sono dos idosos e até nos dias de missas, é um desconforto para nós moradores. Isso tem que ser resolvido”, pede a idosa.

“O uso de drogas e bebidas é constante. Parece que cada dia aumenta mais. Não tem horário nem dia da semana. Tem dia que é 8h da manhã, tem dia que é 4h da tarde. Perdeu-se o respeito. Ninguém é obrigado a ficar louco com eles. Aqui é um ambiente familiar, acaba que os pais estão privados de frequentar a praça por causa disso. É muita bebida, o pessoal deixa garrafas e latas espalhadas por aí. Eles não têm a capacidade de jogar o lixo no lixo e têm varias cestas de lixo aqui. A preservação da praça não cabe só à prefeitura, nós também somos responsáveis”. Disse outro morador.

Como disse o comerciante Souza, vendedor de salgados durante a semana e aos domingos assa frango, ‘nós também somos responsáveis pela limpeza da Praça, mas esta se tornando impossível manter o comercio neste local, além da permanências deles no local pedindo dinheiro aos meus clientes o mal cheiro chega ser ardente’.

Procurada pela reportagem do SITE INTEGRACAOMS, a Polícia Militar comentou, em relação à presença de andarilhos e até mesmo pessoas vivendo na praça e Prédios abandonados. A Polícia Militar informou não poder intervir, uma vez que a Constituição Federal, de 1988, em seu artigo 5°, inciso XV, dá ao cidadão o direito de ir e vir. É o que explicou o responsável pela coordenação do policiamento na região. “A polícia militar não pode cercear o direito da pessoa de ir e vir. Em que pese, a questão que está o andarilho, sabemos os problemas que estão relacionados com esse tipo de conduta, mas é um direito da pessoa, mesmo sendo andarilho, de permanecer na praça. Nós só podemos atuar em razão da ocorrência de algum crime, algum delito, mas a pessoa estando ali, por força até constitucional, ela vai permanecer no local. Não podemos adotar nenhuma medida restritiva a não ser que esteja cometendo algum delito”, detalhou o Policial.

O secretário de Assistência Social do município, Adenilson Vilalba, (Não existe), não adianta mais procurar, sempre a mesma historia, “Estamos fazendo um levantamento para tomarmos a atitude correta”. Esse levantamento nunca acontece. Sendo a mesma coisa há mais de 3 anos, e nunca a prefeitura tomou uma providencia definitiva. É lamentável esta secretaria de Assistência Social.

Esta situação de pessoas em vulnerabilidade social, como é o caso de andarilhos que estão ‘praticamente’ vivendo na praça e nos Prédios abandonados, é uma situação de saúde pública, a vigilância sanitária tem que agir.

Os moradores pedem ajuda ao Ministério Público, que tomem providencias junto as autoridades do Executivo Municipal. A situação é urgente e degradante, estamos falando de uma Praça no centro da cidade, onde diariamente passam milhares de pessoas.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER