Nem tudo o vento levou! 19º Forarte no Parque Temático

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

“A história, à luz dos fatos, resiste ao tempo e transmite a realidade por gerações.” (Ronan Garcia da Silveira – Livro História de Coxim – 1ª Edição – Coxim/MS, 1996)

Em nossa última reunião da ALB/MS Seccional Coxim – Letras Pantaneiras, realizada dia 09 de fevereiro de 2019, depois de cumprido o primeiro item da pauta e, na sequência, passarmos para o segundo item, em que trataríamos da organização e realização do 19º FORARTE – Fórum de Arte e Cultura de Coxim, e mais um tributo ao Poeta Zacarias Mourão, surgiu o questionamento de qual tema iríamos abordar no fórum. O confrade José Alves Branco Correia, na rapidez de pensamento que lhe é peculiar, relembrando o escritor alemão Erick Paul Remark, disse: “Nem tudo o vento levou”. E este foi eleito o tema do fórum de Arte e Cultura que será realizado dia 16 de março de 2019, a partir das 14 horas, nas dependências do Parque Temático do Pantanal, à Avenida Márcio de Lima Nantes, 1020, em Coxim-MS.
Por isso utilizei, no enunciado desta crônica, a frase do saudoso escritor coxinense Ronan Garcia da Silveira: “A história à luz dos fatos, resiste ao tempo e transmite a realidade por gerações”. Frase esta que, no mínimo deve ter inspirado Paulo Cabral, historiador e prefaciante, do livro História de Coxim, ao dizer: “É gratificante constatar que, apesar de todos os entraves, da falta de estímulo, há pessoas capazes de superar os óbices, colocar os ideais em primeiro plano e realizar trabalhos quixotescos…”
É isto, acredito, que move e estimula as ações dos produtores culturais de Coxim que, apesar de todos os percalços, continuam desenvolvendo as suas ações nos vários campos da cultura local e, com isso, resgatando, valorizando e forjando talentos.
Cá, no chão batido do nosso território, poucos ou ninguém, foram contemplados com as benesses e ou investimentos da propalada Lei Rouanet. Mas, nem por isso deixaram de produzir música, teatro, dança, livros, artes plásticas, saraus de poesias e eventos culturais.
Outra frase que ouvi do confrade Altair Ferreira: “Nós não devemos contabilizar prejuízos e sim lucros”, deve levar-nos ao título dessa crônica para, numa Roda de Conversas, refletirmos: “Nem tudo o vento levou”.
Então, pensando positivamente com um olhar crítico e construtivo de nossa realidade, podemos seguramente afirmar: nosso Pé-de-Cedro, mesmo abalado por um vendaval continua atraindo e sendo palco de visitação de inúmeros turistas. No campo da educação vários foram os avanços alcançados no decorrer do tempo. Se pensarmos no turismo como forma de divulgação de nossas belezas é campo essencial e forte indutor das demonstrações culturais locais. Nossa gastronomia, tendo como ingrediente principal o pescado, tem se mantido em evidência e transforma-se, cada vez mais, no desejo das pessoas que nos visitam. Nossos produtores culturais do campo musical, embalados pelos acordes do sertanejo raiz, universitário e do cancioneiro popular têm galgado espaços de divulgação de sua arte.
O 19º FORARTE será o espaço para que todos, Produtores Culturais e Guardiães do Patrimônio Histórico e Cultural de Coxim, possam refletir e vislumbrar dias melhores para a aplicação dos marcos legais em busca da elaboração de propostas de Políticas Públicas para a Cultura local.
Por:- Adelino Alexandre Lopes – Presidente da ALB/MS Seccional Coxim-Letras Pantaneiras

Print Friendly, PDF & Email
HIPER