Mandetta reunirá lideranças de etnias para discutir saúde indígena

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Ministro foi ao Senado debater em Comissão de Assuntos Sociais

RAFAEL RIBEIRO

O Ministério da Saúde irá se reunir nesta quinta-feira (27) com representantes de etnias indígenas de diversas regiões do país, iniciando negociações visando a definição de um novo modelo de assistência de saúde para essas populações. O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde, Luís Henrique Mandetta, durante debate nesta quarta-feira (26) na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado.

A reunião na CAS foi acompanhada por lideranças de diversas etnias, que inclusive abordaram o ministro durante e após a audiência. Eles demonstraram preocupação, com a informação de que o Ministério fecharia a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), e que municipalizaria os serviços. Porém, Mandetta negou que essa seja a intenção da pasta, e que dialogará com as lideranças indígenas e autoridades de saúde estaduais e municipais, na busca de um modelo mais eficiente para as populações. O Ministério Público Federal, informou, também participará das negociações.

Modelo corrupto

Para o ministro, o atual modelo é ineficiente na sua concepção, e tornou-se um campo aberto para fraudes em licitações, compadrios políticos e acertos corruptos.

Mendetta lembrou que em 2011 foi o primeiro deputado a solicitar ao Tribunal de Contas da União (TCU) uma fiscalização sobre o sistema, que na época já havia identificado diversas irregularidades. O ministro acrescentou que é necessário que o orçamento para o setor (cerca de R$ 1,8 bilhão por ano) atendam efetivamente o seu objetivo.

Observada pelos senadores da Rede Randolfe Rodrigues (ao seu lado) e Flávio Arns, a deputada Joenia Wapichana, de Roraima, participou da audiência com o ministro da Saúde no Senado

“O setor vem sofrendo com esquemas de fraudes endêmicas por exemplo em licitações de aeronaves, helicópteros, aviões, planos de voo… A saúde indígena como um todo sofre uma perigosa associação entre ONGs, seus funcionários e prestação de contas. Há também pagamentos sem parâmetros de valores vultosos para assessorias contábeis, que chegam a R$ 400 mil ou para assessoria advocatícia, que chegam a R$ 200 mil. Na licitação que mandei fazer no Ministério, já detectei também conluios no aluguel de carros na Bahia. Também há casos de funcionários fantasmas nas ONGs e desvios de funções. Enfim, as irregularidades são inúmeras”, informou.

Novo modelo

Mandetta ainda confirmou que o Ministério está fazendo uma auditoria nos recursos destinados às ONGs, mas que não interrompeu os repasses, “para que o sistema que está aí possa andar”. Mas a pasta está determinada a fazer com que as verbas cheguem de fato ao atendimento na saúde dos povos indígenas, alertando que a fiscalização será rigorosa e as negociações pela definição de um novo modelo seguirão seu curso.

E o ministro negou a possibilidade de municipalização da prestação de serviços de saúde aos indígenas:

“Em toda a região Amazônica por exemplo, não existe condição nenhuma da saúde indígena ser sequer estadualizada, quanto mais municipalizada. Esse papel é e continuará sendo da União, isso não tem volta. Mas e os índios da aldeia Jaraguá por exemplo, que vivem no perímetro urbano de São Paulo e tem uma unidade básica de Saúde da Família ao lado? Será que não é mais eficiente que São Paulo cubra? Situações muito semelhantes a essa estão presentes especialmente na Região Sul, em cidades como Passo Fundo (RS) e nas cidades catarinenses”, exemplificou.

Os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Telmário Mota (Pros-RR) confirmaram que em seus estados a saúde indígena está “dominada por esquemas de corrupção”. Mas ambos solicitaram que a prestação de serviços seja mantida, com a punição de quem cometeu as irregularidades. Randolfe definiu a saúde indígena no Amapá como um “antro de corrupção e bandalheiras”, e Telmário denunciou superfaturamentos no aluguel de aviões e helicópteros em Roraima. Mandetta ainda lembrou que o prédio onde funcionava a gestão do sistema em Boa Vista foi alvo de um incêndio que queimou toda a documentação.

“Colocaram fogo no prédio com todos os documentos dentro”, registrou o ministro.

Lideranças indígenas, preocupadas com mudanças no atual modelo de atendimento à saúde de suas comunidades, acompanharam a audiência com o ministro na CAS
Print Friendly, PDF & Email
HIPER