LAVA JATO: Lula estará nas ruas em agosto, aposta Vander Loubet

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Para deputado federal de MS, embora com soltura negada, causa de ex-presidente tem conquistado apoio público

Celso Bejarano, de Brasília

Mesmo o STF (Supremo Tribunal Federal) tenha negado terça-feira o pedido de liberdade do ex-presidente Lula, encarcerado um ano e dois meses atrás, por ter sido condenado a oito anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, o deputado federal sul-mato-grossense Vander Loubet (PT) viu o resultado como positivo. “Queríamos Lula livre ontem, não deu, mas nossa narrativa é que isso aconteça em agosto. O assunto tem conquistado apoio por meio da opinião pública”, disse acreditar o parlamentar.

O STF entra em recesso no dia 1º de julho e retoma às sessões somente no início de agosto. Pelo definido pela 2ª Turma da corte, os magistrados vão julgar a apelação dos advogados do ex-presidente que, já no ano passado sustentavam em petição que o juiz federal que condenou Lula, o hoje ministro da Justiça, Sérgio Moro, agiu com parcialidade no processo e na sentença aplicada.

As desconfianças sobre Moro cresceram ainda mais nas duas últimas semanas, período que o site noticioso Intercept Brasil tem publicado uma série de reportagens acerca do vazamento de conversas, pelo Telegram, travadas entre o ex-magistrado e procuradores da República que coordenavam a Lava Jato, operação que motivou a condenação de Lula. Pelos diálogos, o agora ministro agia como o chefe da investigação, orientava e dava palpites nos trabalhos dos procuradores e combinava estratégias para acusações, atitudes condenáveis pela legislação brasileira.

“A condenação foi exclusivamente para tirá-lo do páreo eleitoral”, afirmou Loubet, suscitando a ideia de parcialidade de Sérgio Moro que, com a condenação do ex-presidente conquistou notoriedade nacional e internacional e proximidade com o presidente Jair Bolsonaro, que o nomeou ministro.

O parlamentar acredita que, até julho, o Intercept Brasil deva mostrar em outras reportagens novos diálogos que devem comprometer a imparcialidade do ex-juiz no processo que sentenciou o ex-presidente.

“Até agora tudo que foi publicado tem sido provado”, disse o parlamentar. Sérgio Moro tem insistido em dizer que os diálogos publicados podem ter sido adulterados, mas ele não nega que conversava com os procuradores.

O jornalista Glenn Greenwald, um dos donos do Intercept e um dos autores das reportagens, em comissão da Câmara dos Deputados, disse ontem, na terça (25), que o site prepara a divulgação de áudios das conversas de Moro e de procuradores do MPF. Até agora, foram publicados apenas textos que narram as conversas.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER