Inauguração do hospital da Cassems em Corumbá atrai mil pessoas

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Embora construído para atender servidores estaduais, prefeitos querem incluir servidores municipais

Celso Bejarano

Ao menos mil pessoas participaram ontem, domingo (25) à noite, da solenidade que selou a inauguração do décimo hospital da Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul). A cerimônia, ocorrida em Corumbá, havia sido remarcada de sexta-feira para o domingo devido às previsões de chuvas no fim de semana.

O hospital foi construído com a capacidade, inicialmente, de atender cerca de dez mil pacientes de Corumbá e Ladário, cidades vizinhas.

O último hospital erguido em Corumbá ocorreu no ano de 1912, que é a Santa Casa de Misericórdia de Corumbá, 106 anos atrás e, até então, é o único da região, segundo informação de Ricardo Ayache, presidente da Cassems, em seu discurso durante o ato.

“A Cassems inaugura um novo tempo para a região. O momento agora é aguardado há mais de cem anos, porque há mais de um século que Corumbá não recebe uma unidade hospitalar. E o mais importante é que é um hospital de última geração”, disse Ayache.

O novo hospital, que abre as portas para os atendimentos no dia 3 de dezembro, terá 50 leitos, contudo, no primeiro mês de funcionamento deve ativar 35, segundo Ayache. O hospital da Cassems em Corumbá terá cinco consultórios ambulatoriais, três salas de cirurgias, dois consultórios odontológicos, pronto-atendimento 24 horas.

Além de o hospital atender servidores estaduais, é intenção dos prefeitos de Corumbá, Marcelo Iunes (PTB) e de Ladário, Carlos Anibal Ruso Pedrozo (PSDB), em firmar convênios para a Cassems também atender servidores das duas prefeituras. O hospital, também por convênios, vai atender pacientes da Unimed.

Hoje, não há nas duas cidades meios de o hospital efetuar exames que envolvam doenças do coração ou do cérebro, por exemplo. E a distância mais próxima das clínicas especializadas é de aproximadamente 430 quilômetros, caminho que conduz até a capital Campo Grande.

Ainda segundo a Cassems, o hospital novo está equipado com um centro de diagnósticos com ressonância magnética, tomografia computadorizada, raios X digital, mamografia, densitometria óssea, duas salas de ultrassonografia, laboratório de análises clínicas e um centro de especialidades médicas. Já na segunda fase, a unidade, segundo Ayache, contará com o serviço de hemodinâmica e de unidade semi-intensiva de internação.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER