Governo pede à Justiça ressarcimento por rodovias mal feitas

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Obras executadas na MS-040 e MS-430 foram alvos da Operação Lama Asfáltica

TAINÁ JARA

O governador Reinaldo Azambuja afirmou, na manhã desta quarta-feira, que trâmita na Justiça ação com pedido de ressarcimento de recursos públicos utilizados em rodovias alvo de desvio de dinheiro. “O quantitativo vai ser feito por perícia. Não posso dizer quanto foi desviadoou não aplicado nas obras”,

Entre os exemplos citados pelo governador está a MS-180, que liga o município de Juti a Iguatemi. “Praticamente derreteu ao primeiro verão, à primeira chuva [ocorrida depois de concluída a obra]”. A primeira interdição deste trecho da rodovia ocorreu em 2015, quando parte da rodovia desmoronou depois de fortes chuvas. No ano seguinte, as interdições ocorreram por duas vezes em menos de três meses. A Defesa Civil impediu o acesso por aproximadamento 80% da pista devido a desmoronamento.

Contratos envolvendo a pavimentação da rodovia MS-430, que liga São Gabriel do Oeste a Rio Negro, e a MS-040, acesso o município de Santa Rita do Rio Pardo, foram alvos da Operação Lama Asfática, deflagrada pela Polícia Federal, em 2015.

Na MS-430, a obra foi entregue em dezembro de 2014 e teve três lotes que foram executados pela empresa Proteco construções Ltda do empresário João Krampe Amorim – um dos principais investigados na operação. Os trechos executados pela empresa custaram R$ 53,2 milhões. No entanto, um ano depois, a via já estava com inúmeros buracos.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER