Estado paga mais de R$ 2,8 milhões a ex-funcionários de Organização Social

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Instituto Gerir, responsável pela gestão do Regional de Ponta Porã, teve contrato rescindido em meio a atrasos nos pagamentos

GLAUCEA VACCARI

Governo de Mato Grosso do Sul destinou mais de R$ 2,8 milhões, em transferências diretas, para saldar verbas remuneratórias a quase 250 ex-funcionários do Instituto Gerir, que foi responsável pela gestão do Hospital de Ponta Porã de 2016 até março deste ano, quando contrato foi rescindido em meio a atraso no pagamento de salários.

Ministério Público do Trabalho (MPT), que na época da rescisão do contrato recomendou ao Estado que interrompesse a destinação de quaisquer valores devidos ao Instituto até que o mesmo comprovasse o cumprimento das obrigações contratuais com os empregados, mediou a questão referente a transferência dos valores devidos aos ex-funcionários.

Além dos R$ 2,8 milhões, também foram repassados R$ 762 para pagamento das guias do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e R$ 363 mil para liquidar encargos sociais (INSS, PIS, IRRF).

ORGANIZAÇÃO SOCIAL

Responsável pelo Hospital Regional Dr. José Simone Netto desde 2016, o Instituto Gerir foi a primeira organização social a gerir um hospital público no Estado. Porém, por protagonizar várias crises e ações judiciais, foi substituída. A entidade alegou, na época, que os repasses do governo ocorriam com atrasos.

Atualmente, a gestão da unidade pertence ao Instituto Acqua – Ação, Cidadania, Qualidade Urbana e Ambiental, cujo contrato com o Governo foi assinado no dia 28 de março e prevê repasses mensais estimados em R$ 4,5 milhões. Essa quantia é rateada entre parcela fixa correspondente a 60% do repasse – para custeio de despesas com renumeração, encargos trabalhistas e vantagens de qualquer natureza – e parcela variável de 40% – guiada pelo cumprimento das metas de produção e dos indicadores de desempenho e qualidade.

Com a extinção do contrato entre Executivo e Instituto Gerir, a maioria dos ex-funcionários foi posteriormente admitida pelo Instituto Acqua.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER