Esperava apoio do partido, diz Coronel David após nota de repúdio do PSL

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Celular do parlamentar foi invadido na terça

e

O deputado estadual Coronel David (PSL) disse nesta quinta-feira (26) que esperava ter recebido apoio e não uma nota do PSL em Mato Grosso do Sul após ter o WhatsApp invadido na última terça-feira (24). “Praticaram um crime contra um deputado, então eu esperava do PSL uma outra posição”.

O parlamentar ainda ressaltou o apoio do deputado estadual Capitão Contar (PSL), apesar das diferenças que existem dentro da sigla no Estado. Nesta quarta-feira, o partido emitiu uma nota para a imprensa e afirmou repudiar a ‘denuncia do parlamentar’ , além de reforçar que ‘a suposta de invasão de eletrônicos é crime e, como tal, deve ser apurada pelas autoridades competentes’.

O partido também afirmou não ter nenhum envolvimento com o caso, em resposta a fala feita por David na tribuna da Assembleia Legislativa. Conforme o texto, o PSL em Mato Grosso do Sul sempre prezou pela lisura e pelo combate a “velha política”, que usaria essas ferramentas ilegais para denegrir políticos. “O nosso partido está a disposição para esclarecimentos”, destacou a nota.

Capitão Contar afirmou nesta quinta que o vídeo não é fake news, como apontado pelo parlamentar. “O vídeo do cidadão de Brasília não é fake. É uma verdade. Se ele [David] aceitou indicar o Delcídio e isso causou desconforto nos integrantes do PSL no Brasil inteiro, isso é um fato. E o episódio do hackeamento ele vai ter que explicar à Justiça porque acusou o PSL dizendo que um dos integrantes invadiu o celular dele”.

Coronel David afirma que seu celular foi invadido e um vídeo postado a partir dele sobre uma suposta homenagem proposta ao ex-senador Delcídio do Amaral. Entretanto, o autor da proposta foi o deputado estadual Neno Razuk (PTB), e não David.

Oficial da Polícia Militar reformado, o parlamentar ainda disse que conseguiu conversar com o autor do vídeo, que seria um membro do PSL de Brasília, e que ele revelou suposto pedido de membros do PSL, sendo ligado a uma senadora do partido em Mato Grosso do Sul – a única é Soraya Thronicke, eleita em 2018.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER