Dia da mulher: conheça 5 mulheres brasileiras que fizeram diferença na história

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print
Thabata Delfina

No dia 8 de março é comemorado o dia internacional da mulher, data que foi instituída para celebrar as conquistas e relembrar a luta das mulheres ao longos dos séculos em busca de equidade de direitos sociais, políticos e econômicos. É claro que o dia da mulher deveria ser comemorado todos os dias, entretanto, é um momento especial para incentivar a reflexão referente às questões de gênero, tal como de cor e socioeconômicas, que também devem ser analisadas sempre. Por esse motivo, destacamos aqui 5 personalidades brasileiras do sexo feminino que nos enchem de orgulho e que todos deveriam conhecer. Confira!

Dandara

Lembrada na história à sombra de Zumbi dos Palmares, relatos apontam que Dandara foi muito mais do que apenas sua esposa, apesar da escassez de registros a respeito da guerreira quilombola. Tão importante quanto ele, Dandara lutou bravamente contra o racismo e o sistema escravocrata. Liderou homens e outras mulheres, perseguiu a defesa da liberdade do povo negro durante toda a sua vida e preferiu a morte ao se entregar à escravidão em sua última batalha. Dandara é a imagem de uma mulher forte, líder e heroína que deve ser celebrada tanto como referência para o movimento negro, quanto para o feminismo e a história do Brasil. Embora não se saiba suas origens, ela é considerada uma guerreira brasileira.

Pagu – Patrícia Rehder Galvão

Patrícia Rehder Galvão, conhecida pelo pseudônimo de Pagu, foi uma militante política, jornalista, romancista, poeta, crítica de letras, artes, televisão e teatro, além de reconhecido nome do movimento modernista no Brasil e grande revolucionária de seu tempo. Teve uma trajetória marcante na história do país e representativa atividade na militância comunista na década de 30, período em que foi detida, sendo a primeira mulher presa política em terras brasileiras.

Maria Firmina dos Reis

A professora e escritora Maria Firmina dos Reis foi considerada a primeira romancista brasileira a ter um livro publicado, com seu primeiro romance de nome Úrsula, em 1859. A romancista foi pioneira na crítica contra a escravidão através da literatura. Além de ter lançado um gênero literário nunca antes visto no Brasil, Maria Firmina foi também a primeira mulher a ser aprovada em um concurso público no estado do Maranhão e responsável por criar a primeira escola mista para meninos e meninas na cidade de Guimarães.

Rachel de Queiroz

Escritora, jornalista, tradutora e dramaturga, Rachel de Queiroz formou-se professora com apenas 15 anos. Em sua trajetória, usou da literatura para expor a realidade do Nordeste brasileiro, tratando assuntos como a miséria, a seca e o coronelismo da época. Rachel foi militante política e também lutou pela atuação feminina na vida pública. Dentre seus grandes feitos, foi a primeira mulher a ocupar uma cadeira na Academia Brasileira de Letras em 1977, e também a primeira mulher a receber o prêmio Luís de Camões em 1993.

Antonieta de Barros

Educadora, jornalista e a primeira deputada negra do país, tal como a primeira deputada mulher do estado de Santa Catarina. Antonieta foi também militante do movimento feminista, sendo fundadora de jornais que defendiam a emancipação feminina. Como defensora do reconhecimento da cultura negra, é também um nome extremamente representativo para o movimento negro até hoje, apesar das tentativas de ser apagada da história. Filha de ex-escrava, foi pioneira e viveu sua vida em função do combate à discriminação dos negros e mulheres.

Há tantas outras mulheres, centenas delas, que foram fundamentais para a história do país, em especial, cruciais para as conquistas femininas ao longo das centenas de anos de nossa nação. Portanto, aproveite o dia da mulher deste ano para conhecer não apenas estas, mas procurar pela história de tantas outras mulheres incríveis que não caberiam neste artigo, afinal, são inúmeras. Use esse dia para entender ainda mais sobre a trajetória e conquistas do gênero feminino, para que possamos honrar e celebrar todos os dias os triunfos de todas que lutaram por nós.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER