Deputados de MS convocam Aneel para explicar aumento na luz

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Presidente Paulo Corrêa quer respostas técnicas para reajuste

RAFAEL RIBEIRO

Depois do Governo do Estado iniciar investigação sobre o súbito aumento desproporcional nas contas de luz dos sul-mato-grossenses, agora é a vez dos deputados estaduais entrarem de vez na história.

Na manhã desta sexta-feira (15), o presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa (PSDB), revelou que convidou a  Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para auxiliar parlamentares, consumidores e o setor produtivo do Estado a entenderem tecnicamente quais as razões dos reajustes realizados nos últimos dois meses.

“Eu consegui falar lá para que o novo presidente da Aneel (André Pepitone) venha em um trabalho conjunto com Fiems, Fecomércio, Famasul, enfim, setor produtor, para conversarmos agora em março. Vamos discutir tecnicamente essa cobrança, pois o sistema tarifário de cobrança é até difícil de entender. São 139 itens que compõem o cálculo da cobrança”, disse Corrêa, em entrevista à ‘Rádio 95 FM Capital’.

O parlamentar foi presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigou casos semelhantes em 2006 e 2007 e conseguiu a devolução de R$ 200 milhões aos consumidores.

A data da reunião ainda será definida, mas o presidente confirmou que toda a população poderá participar de audiência pública a ser realizada na Assembleia Legislativa no dia 12 de março, às 14h30.

“A reclamação é generalizada, com contas impraticáveis. A Energisa (concessionária de energia responsável pelo fornecimento na maioria do Estado) já foi à Assembleia discutir o assunto, mas falou do calor, porém conta de R$ 79 mil? Pode ter erro? Pode. Por que não assumir? Tem gente que lançou errado? Não sei, mas sei que dá para entender que uma hora é bandeira verde e outra é bandeira verdade, mas convenhamos que teve muita chuva ano passado. Temos que fiscalizar sim”, explicou o presidente.

O Procon-MS esteve na sessão ordinária realizada na quinta-feira (14) pelos deputados listando outras contas com valores considerados abusivos. “A cobrança de ICMS vai de 17% até 25% e se o consumo muda, liga o ar-condicionado no máximo, claro que sua conta de luz modifica o valor. Isso precisa ser discutido, assim como o fato de sermos comprador de energia, importar energia de outros países, essa é uma questão muito séria”, ressaltou Corrêa.

Um requerimento foi apresentado durante sessão ordinária de ontem pedindo as notas fiscais da compra de energia.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER