‘De cabeça quente’, Bolsonaro evita comentar situação de ministro denunciado

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print
Maurício Ferro
O presidente Jair Bolsonaro reclamou da imprensa na noite desta 6ª feira (4.out.2019) ao ser questionado sobre a permanência ou não do ministro Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) no governo –denunciado à Justiça Eleitoral em Minas Gerais. Depois, pediu desculpas e disse estar “de cabeça quente“.

“Ralo o dia todo e não tem uma coisa boa para perguntar?”, questionou o presidente a jornalistas, indo em direção à área destinada aos populares que o aguardavam na entrada do Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência.

De acordo o jornal Folha S.Paulo, o ministro indicou ao comando nacional do PSL e repassou R$ 279 mil para as candidatas Lilian BernardinoMilla FernandesDébora Gomes e Naftali Tamar. Elas não apresentaram desempenho significativo nas eleições. Juntas, receberam 2.084 votos, o que motivou as suspeitas de irregularidades.

Segundo a Folha, do dinheiro repassado, ao menos R$ 85.000 foram para as contas de 4 empresas de conhecidos ou parentes de Marcelo.

Marcelo Álvaro negou as acusações e, em entrevista ao Jornal do SBT, em 25 de fevereiro, afirmou que “ninguém foi plantado para ser candidato ou candidata” pelo PSL no Estado. Também tentou levar a investigação do caso para o âmbito do Supremo Tribunal Federal (STF) em razão da prerrogativa do foro privilegiado, mas o ministro Luiz Fux rejeitou o pedido.

O ministro do Turismo também tentou retirar 13 reportagens da Folha do ar. A juíza Grace Correa Pereira Maia, da 9ª Vara Cível de Brasília, negou o pedido.

Já em abril, delegado Marinho Rezende, chefe da Delegacia de Defesa Institucional, da Polícia Federal em Minas Gerais, afirmou haver indícios concretos de que, pelo menos, 4 candidatas do PSL nas eleições de 2018 mentiram na prestação de contas à Justiça Eleitoral.

OUTRO LADO

Eis a nota enviada pelo Ministério do Turismo:

“O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, ainda não foi notificado oficialmente da decisão, mas reafirma sua confiança na Justiça e reforça sua convicção de que a verdade prevalecerá e sua inocência será comprovada. Assim como vem declarando desde o início da investigação, que teve como base uma campanha difamatória e mentirosa, o ministro reitera que não cometeu qualquer irregularidade na campanha eleitoral de 2018. Vale lembrar que esta é apenas mais uma etapa de investigação e o ministro segue confiante de que ficará comprovada sua inocência.

Assessoria de Comunicação do Ministério do Turismo”

Print Friendly, PDF & Email
HIPER