Conselheiros renunciam e apontam suposta ‘caixa preta’ da Santa Casa; hospital nega

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Atual presidente, Esacheu Cipriano Nascimento, diz que denúncias tem fins eleitoreiros

Thiago de Souza

Denúncias de nepotismo, gastos injustificados e perseguições, fizeram dois conselheiros da Santa Casa de Campo Grande – Jesus Alfredo Ruiz Sulzer e Wilson Levi Teslenco – renunciarem aos cargos. Os denunciantes apontam  que estes e outros fatores levam o hospital a uma situação de ”iminente colapso”. O atual presidente, Esacheu Cipriano Nascimento nega todas as acusações.

O documento de renúncia é datado de 11 de junho deste ano e foi recebido por um diretor-secretário do hospital.
Entre os fatos mais graves apontados na carta estão a falta de transparência nos gastos com terceiros .

Os ex-conselheiros apontam  que informações de  contratos com terceirizados foram excluídos ”.

”…sem qualquer justificativa, que colocou as contas da ABCG sob o manto da obscuridade”, escreveram os ex-integrantes da Santa Casa. Eles ainda afirmam  que o nepotismo é um mal presente no serviço público e que ”atingiu em cheio a Santa Casa”.
Salários altos e  número de colaboradores estimados em  3 mil pessoas, além de contratações suspeitas, seriam mais elementos que indicam problemas na gestão que Jesus e Wilson classificam como ”centralizadora”.

Teslenco, ex-presidente da Santa Casa, e Jesus  afirmam que a atual gestão assumiu com dívida de 100 milhões de reais e que hoje está em cerca de 250 mi.

Conselheiros renunciam e denunciam atual diretoria. (Foto: Reprodução Repórter Top)

Ainda na questão de supostos gastos injustificados e inadequados, recursos conseguidos supostamente por meio de doações da população para a compra de um aparelho para a ala pediátrica da unidade foi usado na construção de uma área de lazer para colaboradores e clientes no estacionamento.

Outra denúncia grave é a que um de seus colaboradores estaria envolvido em um caso de violência contra uma ex-funcionária, inclusive citam o número do processo na Justiça. No entanto, o conselheiro em questão não teria sido afastado ou o caso enviado ao Comitê de Ética.

Os dois  demissionários criticam o recente  rompimento da Santa Casa com a Unimed, que segundo eles eram fonte de 50% da receita do serviço particular do hospital. Também  apontam perseguição  da  atual diretoria a conselheiros que manifestam pensamen to contrário ao da atual gestão.

Outra versão

Ezacheu Nascimento fala que todas as denúncias são ”irresponsáveis” e que os conselheiros não compareciam às reuniões, além de que o comportamento de ambos estaria sendo prejudicial ao Conselho.

”Eles são belicosos mesmo, vão para as reuniões para agredir os outros conselheiros. Estamos felizes com a saída deles”, criticou o dirigente.

Sobre nepotismo, Nascimento esclareceu que uma diretora-ténica citada pelos denunciantes entrou em 2012 por meio de processo seletivo, antes do marido ser associado. Ele nega falta de transparência e diz que todas as decisões da diretoria são postas para análise do Conselho.

”A Santa Casa não é 99% correta. A Santa Casa é  100% correta”, afirmou Esacheu.

O presidente disse que as denúncias vem em um momento pré-eleitoral   e por isso vê relação das denúncias com o processo eleitoral.

Sobre as dívidas, Nascimento disse que recebeu de Teslenco, antigo presidente, pendência de 168 milhões.

”Aconteceu que foi feito um  empréstimo da prefeitura e do Estado de R$ 80 milhões, mas  que nós estamos pagando até  hoje…”, justificou. Esse valor foi colocado dentro do próprio valor  que a Santa Casa recebe todo mês, está embutido”, explicou novamente.

A respeito do processo contra um conselheiro por violência doméstica,    ele diz que o caso foi arquivado e que, de qualquer forma, não ocorreu dentro do hospital

Print Friendly, PDF & Email
HIPER