Confiante em votação para deputada, Rose segue com sonho de virar prefeita de Campo Grande

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Visando as eleições municipais, deputada afirmou que ideia de trocar de partido nunca foi cogitada

Nathalia Pelzl

A deputada federal sul-mato-grossense Rose Modesto (PSDB) disse, em entrevista ao TopMídiaNews, que a mudança de partido visando as eleições municipais de 2020 nunca foi cogitada. Ela declarou ainda que não foi ‘descartada pelo partido’.

“Eu não cogitei e nem conversei com ninguém até porque o PSDB não me descartou ainda. Eu tenho dito o seguinte, tenho o sonho de administrar Campo Grande, o tempo pode ser agora, pode não ser.  Acho que isso depende do eleitor, não depende nem do PSDB e nem da minha vontade de ser prefeita”, destacou.

Rose vem sendo alvo de especulações desde que voltou a reforçar seu interesse para assumir a Prefeitura de Campo Grande. No entanto, quando questionada, a deputada destaca que tudo depende do eleitor.

“O eleitor que vai dar esse ‘norte’ e nós temos que fazer pesquisa para analisar o que a cidade quer nesse momento. Se a cidade está feliz com o projeto que tem aí, excelente. Se não, acho que os partidos têm a obrigação democrática de colocar nomes à disposição”, disse.

A deputada aponta ainda que, apesar de ter interesse em assumir o cargo, sabe que tudo vai depender da organização e alianças políticas.

“O PSDB tem meu nome, porém tem outras lideranças também dentro do partido. O que acho é que o partido que tem Governo do Estado, mais de 40 prefeitos, que tem 6 vereadores, três deputados federais, falar que não vai ter uma candidatura própria na Capital do Estado…  Eu não sei o porquê, a razão disso. A não ser que a cidade não queira”, reforça.

Com uma votação expressiva na última eleição, ela foi a deputada mais votada no Estado. Assim, Rose defende que o resultado das urnas precisa ser levado em consideração.

“Resultado das urnas é sempre o melhor sinal, eu tive uma votação expressiva em 2016 como prefeita, 42% dos votos no segundo turno e, nessa eleição, um ano e meio depois, fui a deputada federal mais votada do Estado e fiz 50 mil votos em Campo Grande, mais de 10% dos votos válidos, então isso aí é um quadro para ser analisado, pelo menos isso”, finalizou.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER