Comunicado sobre falta de inseticida contra mosquito da dengue por parte do Ministério da Saúde

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

A Prefeitura de Coxim, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, vem a público informar que está desabastecida do inseticida Malathion, utilizado no veículo fumacê para combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus.

 

O produto é fornecido pelo fabricante somente ao Governo Federal, o qual repassa às secretarias de Estado de Saúde e então encaminha aos municípios mediante critérios técnicos específicos.

 

O Ministério da Saúde divulgou no dia 30 de abril de 2019 a nota informativa número 77/2019 referente ao desabastecimento do inseticida distribuído regularmente para os municípios afetados por meio das Secretarias de Estado de Saúde.

 

A última remessa foi enviada a Coxim foi no dia 21 de abril, revela o coordenador do Centro de Controle de Vetores, Marcilio Centurion: “Foram 200 litros que foram pulverizados na região do Bairro Senhor Divino. Os locais que recebem as pulverizações são com base na circulação viral e notificações, sendo demandadas pela Secretaria de Estado de Saúde, que fornece o produto e o veículo”.

 

“A recomendação é que continuemos a combater mecanicamente os focos de mosquitos”, explica o secretário municipal de Saúde, Franciel Oliveira. Na manhã desta segunda, a secretaria reuniu os agentes de vigilância epidemiológica, equipes da Atenção Básica e Vigilância Sanitária para intensificar as ações de combate ao mosquito e conscientização da população”.

 

A utilização de inseticidas em saúde pública tem por base normas técnicas e operacionais oriundas de um grupo de especialistas em praguicidas da Organização Mundial de Saúde (OMS), que preconiza os princípios avos

desses produtos e recomenda as doses para os vários tipos de tratamento disponíveis.

 

A aplicação espacial tem como função específica a eliminação das fêmeas de Aedes aegypti e deve ser utilizada somente para bloqueio de transmissão e para controle de surtos ou epidemias. Essa ação integra o conjunto de atividades emergenciais adotadas nessas situações e seu uso deve ser concomitante com todas as demais ações de controle, principalmente a diminuição de fontes de mosquito.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER