Chamado de ‘capenga’, MPE reage e afirma que altera decisões do TJ em instâncias superiores

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Paulo Passos emitiu nota após críticas de desembargador

Maressa Mendonça e Celso Bejarano

Em resposta ao desembargador Paulo Alberto de Oliveira, que chamou o serviço dos promotores de Justiça de Mato Grosso do Sul de “sofrível” e “capenga”, o procurador-geral de Justiça do MPE-MS (Ministério Público Estadual) Paulo Cezar dos Passos, afirmou que, muitas das decisões do Tribunal de Justiça são alteradas por “instâncias superiores”.

“Reafirmo, enquanto procurador-geral de Justiça, a integral confiança nos membros do MPE”, declarou Passos, alegando que respeita as decisões do Poder Judiciário Estadual,mas, “se reserva o direito de manejar os recursos cabíveis ao Superior Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal quando não concorda com os termos de eventual decisão adotada pelo Tribunal de Justiça”.

O procurador comentou ainda sobre os recursos usados pelo MPE após decisões do TJ, especialmente aqueles acolhidos por instâncias superiores, que alteram a decisão do TJ, mantendo a denúncia dos promotores e citou o processo que motivou os comentários do desembargador Paulo Alberto de Oliveira.

Isto porque, nesta ação em especial, OIiveira deu voto favorável à tese defendida pelo MPE.

O CASO 

Paulo Alberto de Oliveira, desembargador do TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) desde fevereiro de 2016, em data recente, examinava uma ação de improbidade administrativa durante uma sessão e disse que o serviço do promotor seria “sofrível” e até “capenga”, por falta de sustentação. No caso, ele teria visto falha na acusação e isso teria fragilizado eventual sentença contra o réu.

“A sociedade fica revoltada com o Poder Judiciário” ao saber que a corte arquiva determinado processo, mas isso ocorre por causa do “encaminhamento péssimo do MP”, afirmou o desembargador, segundo o áudio obtido pela reportagem.

O magistrado diz ainda que ao analisar a ação de improbidade até “vislumbra que tem coisa errada (que houve crime, no caso), mas o inquérito (denúncia do MP-MS) foi feito capenga”, comenta Paulo Oliveira.

O desembargador afirma ainda que há casos que precisa fazer das tripas coração para “salvar” a denúncia do MP. Pelo diálogo, ele conta que “não vai” mais receber ação malfeita pelos promotores de Justiça e que seguirá o que chamou de “rigorosíssimo critério”.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER