Casos aumentam 88% e epidemia de sífilis se alastra na Capital

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Em apenas um ano, número de notificações da doença teve crescimento superior a 80%

LUANA RODRIGUES

Campo Grande passa por uma explosão de casos de sífilis. Transmitida de uma pessoa infectada para outra, principalmente durante o sexo desprotegido, a doença atingiu 3.312 pessoas na Capital, somente no ano passado, e já é considerada uma epidemia. Os dados são da Secretaria Municipal de Saúde Pública (Sesau) e também mostram que, de 2017 para 2018, houve um aumento de 88,50% no número de casos diagnosticados.

Conforme a chefe do Serviço IST/Aids da Sesau, Denise Leite Lima, o principal motivo para o aumento nos casos está na falta de prevenção, e os mais afetados são os jovens de 15 a 34 anos e os idosos, que aparecem como a faixa etária em que a incidência da doença mais cresceu. “Realmente as pessoas não estão se prevenindo, não estão usando o preservativo em nenhuma das relações. A gente bate na tecla do uso correto do preservativo em todas as relações, mas as populações jovem e idosa têm dificuldade de entender que precisa se prevenir. Os jovens porque ainda não se atentaram aos riscos do sexo sem proteção e os idosos por questões culturais, muitas vezes machistas”,  considera.

Porém, não é só no sexo desprotegido que acontece a transmissão da doença. A sífilis é infecciosa, causada pela bactéria Treponema pallidum, e também é transmitida por meio de transfusão de sangue ou de uma mãe infectada para o bebê, durante a gestação ou no parto. Em Campo Grande, os casos em gestante aumentaram 20%.

“A gestante é nossa grande preocupação, porque se não tratada logo no início da gestação, ela passa da mãe para a criança. Por isso , a nossa orientação é que a mulher  que já sabe que está gravida procure uma unidade de saúde e inicie o tratamento. Porque se a sífilis não for tratada, o bebê pode nascer com malformação e pode levar a um aborto”, explica.

É o caso de um bebê de apenas sete dias de vida, internado na Maternidade Cândido Mariano. A criança nasceu com a doença, porque a mãe, que é usuária de drogas, não seguiu o pré-natal regularmente. “Muitos bebês passam dez dias internados, recebendo tratamento por meio de injeções, para curar a doença. É muito doloroso, por isso é importante que a mãe procure fazer um teste rápido o quanto antes descobrir a grávidez e continue com a prevenção e tratamento até o fim da gestação”, diz Lima.

Durante a gestação, o teste deve ser feito na 1ª consulta do pré-natal, no 3º trimestre da gestação e no momento do parto (independentemente de exames anteriores). O cuidado também deve ser especial durante o parto para evitar sequelas no bebê, como cegueira, surdez e deficiência mental.

SINTOMAS

A sífilis pode se manifestar em três estágios e os principais sintomas ocorrem durante as duas primeiras fases da doença, período em que é mais contagiosa.

O primeiro sintoma  é uma ferida que não sangra e não dói, que surge após o contato direto com a ferida de sífilis de outra pessoa. Esta ferida pode demorar de 3 a 12 semanas para aparecer e quando é friccionada libera um líquido transparente.

A ferida tende a desaparecer sozinha, sem nenhum tratamento, mas isto não representa que a doença foi curada, pelo contrário, que está avançando para a segunda fase da sífilis, quando o comprometimento ocorrerá na pele e nos órgãos internos, já a bactéria se espalhou pelo corpo.

O terceiro estágio pode não apresentar sintomas, e, por isso, dá-se a falsa impressão de cura da doença.

DIAGNÓSTICO

O exame para detectar a sífilis está disponível para a população em geral em todas as unidades básicas de saúde (UBS) e de saúde da família (UBSF), além dos Centro de Apoio Psicossocial Álcool e Droga (Caps) e do Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA), além de hospitais. A Sesau também conta com uma unidade móvel, que percorre festas, bares, praças e demais locais com grande circulação de pessoas.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER