Canudos ‘sustentáveis’ custam o triplo e comerciantes apostam em consciência dos clientes

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Empresários dizem não ter interesse em descumprir lei mesmo sem punição prevista

Publicada nesta quinta-feira (18), a lei n° 5.372 de julho de 2019, que proíbe o fornecimento de canudos plásticos aos clientes de hotéis, restaurantes, bares, padarias, conveniências, clubes noturnos, salões de dança e eventos musicais, teve o artigo que falava sobre punições em caso de descumprimento vetado.

Ou seja, os donos de estabelecimentos que não obedecerem a nova regra não serão punidos mediante a lei. A justificativa do governador Reinaldo Azambuja, é de que já existem outras normas regulamentadoras – Federal e Estadual – que tipificam o crime de poluição ambiental.

Antes do veto, a regularização deveria ser feita em até 30 dias e em caso de descumprimento a multa para o empresário seria no valor correspondente a 200 UFERMS (Unidade Fiscal Estadual de Referência de Mato Grosso do Sul). Neste mês de julho o valor de cada unidade corresponde a R$ 28,59. A multa então chegaria a R$ 5,7 mil e, em caso de reincidência o valor seria dobrado. Além da possibilidade de fechamento do local por um mês.

Foto: Leonardo de França

Para a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes agradece ao Governo do Estado de Mato Grosso do Sul), o veto parcial no que diz respeito às punições é motivo de comemoração.

De acordo com a associação, não punir exclusivamente os empresários do setor é mostrar sensibilidade, já que o setor além de gerar muitos empregos, gera também renda ao estado e não pode arcar sozinho com essa responsabilidade.

A entidade ainda ressalta que o projeto de lei não prevê ações educativas, apenas visava obrigações e punições duras aos estabelecimentos. Mas afirma já estar atuando para incentivar o desuso dos canudos e outros materiais descartáveis no setor.

Segundo o texto publicado no Diário Oficial, a medida começa a valer em 30 dias, e os estabelecimentos terão 12 meses para se adequar. Mas sem a punição para quem descumprir a lei, será que os proprietários pensam em investir em canudos biodegradáveis, que tem um custo mais alto do que os de plástico?

Para o empresário Juliano Wertheimer, a punição era desproporcional e contemplava apenas uma ponta do ciclo que é o dono de estabelecimento. Mas afirma que não é de interesse do setor descumprir a medida.

“É do nosso interesse a preservação do meio ambiente. Mas a punição estava desproporcional para quem é dono de estabelecimento. A indústria vai continuar produzindo, o mercado vendendo, o cliente vai continuar pedindo, mas o proprietário do estabelecimento fica pressionado pela lei a não fornecer”, explicou.

Juliano proprietário de bar em Campo Grande. Foto: Leonardo de França

A punição poderia ultrapassar os R$ 10 mil, e implicar no fechamento das casas, que teriam apenas 30 dias para se adequar ao sistema. O produto biodegradável que pode custar o triplo do canudo de plástico, vai gerar um custo maior para o empresário e vai acabar chegando na bebida vendida.

“Quando o cliente sentir o impacto no bolso ele vai deixar de pedir o canudo. Ele tem um custo elevado, e vai acabar sendo repassado para o cliente. Mas para os deficientes que se alimentam por canudo os de ferro e vidro machucam, os biodegradáveis desmancham e eles salivam muito. Então é uma parcela já tolhida do convívio social que será proibido de se socializar um pouco mais”, ressalta Juliano.

Ao Jornal Midiamax, Juliano conta que os rumores entre o setor indicam o interesse total no cumprimento da lei, e que o período de 12 meses de adequação é bom para os estabelecimentos, mas não para a indústria. “Nós nos preocupamos com o meio ambiente, agora somos grandes geradores e precisamos de um plano de resíduos, precisamos de uma empresa especializada, então nós precisamos de menos peso de lixo a ser descartado, porque isso é cobrado por peso. Não ter a punição não quer dizer que vamos descumprir a lei”, informa.

“Mas vale lembrar que a poluição não vem de dentro dos bares e restaurantes, mas de quem joga na rua, de quem coloca o saco de lixo na frente de casa e deixa para o cachorro rasgar. Nós somos a favor da medida, 12 meses a gente se adequar, mas e a indústria que já tem um estoque, o maquinário? Precisa existir um incentivo. Na Europa, o pacto para banir os descartáveis é de 10 ou 15 anos, agora do dia pra noite, um ano para indústria é pouquíssimo tempo. Vai ter incentivo fiscal para essa mudança? ”, disse.

O empresário ainda destaca que é preciso entender que para um estabelecimento que vende cinco copos de suco o peso é diferente do que para uma rede que comercializa 5 mil copos de suco, e isso precisa ser levado em conta. E é preciso conscientizar a população a respeito do assunto. “Em casa a gente não usa canudo o tempo todo, mas quando chega no estabelecimento a primeira coisa que a gente faz é pedir canudo. Precisa ensinar e conscientizar através de educação ambiental a população”, conclui.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER