Azambuja se mostra contrário ao cancelamento do ponto facultativo de Carnaval

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print
Governador diz que cancelar carnaval pode não apresentar resultados na diminuição do contágio da Covid-19

Naiara Camargo

Durante solenidade de abertura da retomada da Assembleia Legislativa, o governador Reinaldo Azambuja realizou uma coletiva de imprensa e se mostrou contrário ao cancelamento do ponto facultativo de Carnaval, previstos para os dias 15, 16 e 17 de fevereiro.

A proposta de suspensão foi apresentada na semana passada, pelo então governador em execício Paulo Corrêa, para frear o contágio do virús da Covid-19.

Azambuja expressa que “muitas vezes penalizar o cancelamento do ponto facultativo para aquele servidor que tem um planejamento, talvez não teria um resultado prático na diminuição do número de pessoas contaminadas”.

O governador defende o mais importante é que a população não se aglomere no feriado prolongado. “Devemos ter nesse período de Carnaval todo cuidado para evitar aglomerações, e daí depende dos decretos a nível estadual e municipal”.

Contudo, o governador explicou que nada está decidido e que vai se reunir com o Comitê de Operações Emergenciais para decidir sobre o cancelamento do ponto facultativo.

“Vou ouvir os argumentos deles, mas eu também tenho meu posicionamento, que é o que vou discutir com eles. O que efetivamente isso resolver as aglomerações? Então é isso que nós vamos discutir”, declarou.

Em todo o Estado são 40 mil funcionários públicos ativos, Azambuja aponta que é um pequeno quantitativo em comparação com o número da população, de 2,5 milhões de habitantes.

“Estamos fazendo uma análise, ainda não temos uma decisão tomada. Vamos tomar em conjunto, ouvindo a ciência, e o mais importante para nós do governo: ampliar rapidamente o número de pessoas vacinadas no Mato Grosso do Sul”, afirma.

O secretário de Estado de saúde, Geraldo Resende se mostrou favorável na semana passada a suspensão do feriado. Nesta manhã, ele disse ao Correio do Estado que cancelar, ou não o ponto facultativo é decisão de autoridades do governo, mas orienta que pessoas não viajem para os casos de infecção não aumentarem.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER