Após alerta de Coronel David, Estado pede revisão em convênio de combate ao tráfico em MS

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Governo de MS e Secretaria de Segurança ameaçam tirar Polícia Civil de investigações

O requerimento encaminhado pelo deputado estadual Coronel David (PSL), ao Governo, solicitando informações sobre a atuação das forças de segurança no convênio entre Polícia Civil/Ministério da Justiça/Polícia Federal no combate ao tráfico em MS, trouxe preocupação ao Executivo Estadual sobre a necessidade da renovação do contrato com o Governo Federal.

Na última sexta-feira (7), o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e o Secretário Estadual de Justiça e Segurança Pública (SEJUSP), Antônio Carlos Videira, anunciaram que a Polícia Civil pode abandonar as investigações contra o tráfico de drogas no Estado, caso o Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro não renove o convênio com Mato Grosso do Sul.

Atualmente, o contrato prevê que MS realize todas as apreensões de combate ao tráfico de drogas local, o que tem um custo elevado. Em três anos, foram apreendidas quase 1.500 toneladas de drogas, mais de 33 mil laudos periciais foram feitos e cerca de 11 mil procedimentos foram realizados pela Polícia Civil, além do custo com a custódia de presos, que anualmente alcançam a cifra de R$ 133 milhões de reais.

O Estado tem 1.517 quilômetros de fronteira com o Paraguai e a Bolívia, países com alto índice de produção de drogas. Entre 2015 e maio deste ano, a polícia sul-mato-grossense apreendeu cerca de 1,5 milhão de toneladas de entorpecentes, em sua grande maioria, maconha e cocaína, que teria como destino os grandes centros nacionais e internacionais. Uma das consequências desta situação é a sobrecarga do sistema penitenciário estadual, que hoje administra em suas unidades prisionais cerca de 7.300 presos, o que corresponde a 40% da população carcerária de Mato Grosso do Sul.

Melhorias no DOF
Ainda em abril, o deputado Coronel David participou de um encontro com o Presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), onde foi apresentado um plano para “sufocar” o crime organizado nas regiões de fronteira do Estado. O documento solicitou a reestruturação do Departamento de Operações de Fronteira (DOF), cujo investimento necessário chegaria a R$ 32 milhões, com intuito de aumentar o efetivo, adquirir novas viaturas e armamentos, entre eles 90 fuzis.

“Em 2018, tive a oportunidade de levar o Bolsonaro ao DOF para que ele conhecesse a estrutura e verificasse o quanto é dificultoso para os agentes de segurança pública manterem a fiscalização nas fronteiras sem a participação das forças federais. Sabemos que essa defesa é de responsabilidade da União, portanto, discutimos a participação das Forças Armadas, além de investimentos em tecnologia e melhor estrutura para ‘sufocar’ o crime organizado nas divisas de MS. O Presidente recebeu o plano, viu o que era necessário para que isso fosse viabilizado e nós o convidamos para retornar ao Estado de Mato Grosso do Sul e fazer outra visita ao DOF. O investimento demanda estudo, e é preciso definir qual será a fonte orçamentária, mas ele ficou de avaliar e, assim que decidir, voltará para anunciar esse investimento”, concluiu o deputado.


Assessoria de imprensa Coronel David

Print Friendly, PDF & Email
HIPER