Vacina só em março revolta bancada e senadora luta por imunização em janeiro

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Em MS, apenas 418 mil pessoas devem ser vacinadas segundo os critérios do Ministério da Saúde; Tebet discorda do plano e das restrições da vacina

Rayani Santa Cruz

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) fez duas críticas à perspectiva de início da imunização da população contra Covid-19 apenas em março. O plano inicial do Ministério da Saúde, divulgado esta semana, dá conta que a vacinação será feita em fases e restrita a grupos prioritários: profissionais da saúde, da segurança pública, educação, indígenas, idosos e presidiários. Neste caso, 418 mil pessoas se encaixam nesse critério em Mato Grosso do Sul.

Frente a toda essa problemática, a senadora falou, ontem (3), durante a votação da Medida Provisória que destina cerca de R$ 2 bilhões para o combate à doença, que esperava mais do Ministério da Saúde e que vai lutar para imunização iniciar em janeiro de 2021.

“Vamos aprovar quantas Medidas Provisórias forem necessárias para que possamos ter recursos para vacinar a população brasileira. Dizer que nós só poderemos vacinar em março, num país que tem expertise, e consegue, com a capilaridade que temos juntamente com estados e municípios, vacinar em 20, 30 dias a população brasileira? Começar em março por quê? O Brasil tem capacidade de vacinar. O Brasil tem expertise. Nós não vamos admitir ficar para trás”, disse a senadora, que citou exemplos como o do Reino Unido, que começa a vacinação em dezembro, e Europa, em janeiro.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER
posto