Simone diz que Senado vai tentar derrubar votação que tirou Coaf de Sérgio Moro

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Mesmo que isso ocorra, Medida Provisória retorna para à Câmara dos Deputados, que define de vez a questão

Celso Bejarano, de Brasília

Passado pelo crivo da Câmara Federal, a votação que retirou do Coaf (Controle de Atividades Financeiras) do Ministério da Justiça, por meio da Medida Provisória 870, agora a proposta segue para o Senado, que transfere as atividades financeiras para o Ministério da Economia. Ao menos na intepretação da senadora sul-mato-grossense Simone Tebet (MDB), que preside a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Casa, o Senado deve derrubar a votação dos deputados federais, ou seja, manter a comando do Coaf sob o domínio de Moro.

Na sessão de ontem (quarta, 22), na Câmara dos Deputados, 228 parlamentares votaram pela retirada do Coaf da pasta de Sérgio Moro; 210, votaram pela permanência do Controle de Atividades Financeiras sob a liderança do ministro da Justiça.

Por 18 votos, a proposta do presidente do Jair Bolsonaro, caiu – três deputados sul-mato-grossenses ajudaram a tirar o Coaf de Moro (Bia Cavassa, Beto Pereira, ambos do PSDB e Vander Loubet, do PT).

A senadora Simone disse, na manhã desta quinta-feira (23), em seu gabinete, ao TopMidiaNews, já ter votado antes pela manutenção do Coaf no ministério da Justiça.

Ela afirmou ter conversado com Moro sobre o assunto por duas ocasiões e, em ambas, foi convencida de que o Coaf fique no Ministério da Justiça.

Simone afirmou que o Senado vai tentar reverter o resultado que frustra as intenções de Moro. “Vamos insistir, o momento é importante [Coaf na Justiça], até pelo trabalho que tem feito”.

A senadora explicou que, mesmo que o Senado reprove a mudança, a proposta retorna à Câmara dos Deputados, que define a questão. Ou seja, se repetir o resultado da votação de quarta-feira, a MP 870 segue para a sanção do presidente Bolsonaro.

Havia a possibilidade de o Senado votar ainda nesta quinta-feira (23), mas ao menos até o início da tarde foi definido que o assunto não seria mais tratado nesta semana. Então, a ideia vai à votação na próxima sessão, terça-feira (28). O Congresso Nacional tem até o dia 3 de junho, 11 dias para definir a questão da MP 870. Se isso não ocorrer, a Coaf retorna automaticamente para o ministério Economia.

Hoje, o Coaf, sempre que nota movimentações financeiras suspeitas, manda o caso para o Ministério Público e Polícia Federal, que investigam crimes ligados à corrupção. Quase toda a operação Lava Jato, que mandou para a cadeia dezenas de políticos, foi sustentada por informações fornecidas pelo Coaf.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER