Juíza que incentiva aglomeração ironiza advogado em MS com memes e insinuações

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Ludimila destacou que advogado também entrou com ação popular contra a Ministra Damares

Diana Christie

Juíza que ficou conhecida por incentivar aglomerações em tempos de pandemia da covid-19, Ludmila Lins Grilo usou o Twitter para ironizar e fazer insinuações contra o advogado de Mato Grosso do Sul, José Belga Assis Trad.

Ele entrou no alvo da magistrada de Buritis, Minas Gerais, por pedir abertura de inquérito no CNJ (Conselho Nacional de Justiça) para investigar a conduta de Ludmila nas redes sociais. Logo após a ação, a juíza postou o seguinte meme:

Na sequência, ela destacou que “o advogado @josebtrad, que formulou uma representação disciplinar em meu desfavor, é o mesmo sujeito que tentara afastar, em 2019, a @DamaresAlves do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos”.

Os casos não são diretamente relacionados, mas a juíza pode dar a entender que o advogado costuma “atacar” mulheres no poder. Na ação popular ajuizada a ministra, José Belga Trad e Fábio Martins Neri Brandão afirmam que Damares praticou diversos “atos incompatíveis com a moralidade administrativa, a ética e o decoro exigidos para o cargo”.

A ação aponta que a ministra foi acusada, pela Revista Época, de ter retirado uma criança indígena de sua família. Cita ainda palestra de 2013, em Campo Grande, quando Damares declarou ser advogada, mestre em educação e em direito constitucional e direito da família, sendo que o título de mestre foi comprovado falso.

Ao TopMídiaNews, José Belga Trad preferiu não entrar na briga das redes sociais. “Não vou polemizar com ela não. Vou falar com ela nos autos do processo. Agora ela tem que prestar os esclarecimentos ao CNJ. É lá que ela tem que se defender. Eu credito que ela passou de todos os limites do razoável, do ponderado, está se comportando com deboche, insolência, desrespeito às vítimas, às autoridades sanitárias” .

O caso

Ludimila defendeu, no Twitter, a aglomeração de pessoas nas praias e festas, mesmo com a pandemia do novo coronavírus. “Uma cidade que não se entregou docilmente ao medo, histeria ou depressão”, publicou Ludmila, sobre vídeo que mostra reunião em Búzios, no Rio de Janeiro.

Em outra postagem, ela traz um vídeo de pessoas aglomeradas na praia enquanto assistem à queima de fogos de artifício e escreve a hashtag #AglomeraBrasil. Segundo o advogado, a declaração contraria as orientações dos profissionais de saúde, autoridades sanitárias e do próprio CNJ.

“Ao se manifestar contra as recomendações das autoridades sanitárias, embora não tenha formação e não seja médica sanitarista, o público que tem acesso ao conteúdo das postagens da doutora passa a confundir a opinião, infundada, da magistrada com a da magistratura”, diz.

“Mais ainda”, prossegue, “as pessoas que nela confiam por ser uma autoridade integrante do Poder Judiciário certamente serão influenciadas por sua irresponsável e inconsequente manifestação, que, de tão absurda, pode estar a configurar crime de apologia à infração de medida sanitária preventiva”.

No documento que pede a apuração de eventual infração ético disciplinar por parte de Grilo, Trad destaca que o Código de Ética da Magistratura Nacional impõe uma série de restrições e exigências aos juízes, entre elas a de que o magistrado se comporte na vida privada de modo a dignificar sua função.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER
posto