Enfermeiros da Santa Casa entram em greve por conta de atraso no 13º salário

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print

Hospital deveria ter pago valor integral até o dia 20 de dezembro

FÁBIO ORUÊ E TAINÁ JARA

Profissionais da área de enfermagem da Santa Casa de Campo Grande entraram em greve, nesta quinta-feira (31), por conta do atraso no 13º salário dos servidores, que foi pago apenas parcialmente em dezembro. Os mais de 1,4 mil profissionais reivindicam o pagamento integral, e não parcelado, como foi o decidido pelo hospital.

Conforme o presidente do Sindicato dos Trabalhadores na área de Enfermagem de Mato Grosso do Sul (Siems), Lázaro Santana, o restante dos 60% recebidos no mês passado será pago em três vezes, sendo uma parcela já paga na semana passada, a próxima prevista para o começo de fevereiro e a última para o início de março.

“A Santa Casa tinha até o dia 20 de dezembro para pagar tudo. Depois propôs 40% em três vezes sem consultar o trabalhador e nós não concordamos. Então isso vai em desencontro com o que a legislação determina, que é pagamento integral”, disse o representante.

O valor total a ser pago pela unidade para os profissionais é de R$ 2,3 milhões, do repasse dado pelo Governo Federal, Estadual e Municipal. Ainda de acordo com o presidente do sindicato, o hospital normalmente atua com um déficit de 100 enfermeiros e, com a greve, funcionará com escala reduzida.

“Alguns pontos, como centros cirúrgicos, CTI [Centro de Terapia Intensiva] e o pronto-socorro vão manter 50% de profissionais e nos demais setores apenas 30% vão atender, que são as enfermarias”, contou.

Há 4 anos atuando do como técnica de enfermagem na Santa Casa, Maria Neuza Santana, de 38 anos, é uma das afetadas pela falta do pagamento completo. “A gente faz um planejamento nos meses de dezembro e janeiro pensando que vai receber o 13º completo e não parcelado. A gente entende que existe uma dificuldade, mas é um direito nosso” , disse ela.

Indicativo de greve foi votado e aprovado pelos profissionais durante assembleia que ocorreu na manhã de segunda-feira (28) e o resultado foi encaminhado para o hospital, que decidiu manter o parcelamento do salário. Desta forma, os profissionais decidiram pela greve por tempo indeterminado.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER