Conta de luz deve ficar mais cara na próxima semana

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print
Reajuste em 74 municípios de Mato Grosso do Sul atendidos pela Energisa será de pelo menos 11,9 %, indica a Agência Nacional de Energia Elétrica

Clodoaldo Silva

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidirá na terça-feira (6) o porcentual de aumento na conta de luz de 1,022 milhão de consumidores de 74 municípios atendidos pela Energisa em Mato Grosso do Sul.

Mesmo com a aprovação de lei que utiliza recursos da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) para conter o reajuste, as estimativas são de que o aumento ficará entre 11,9% e 21,2%, conforme cálculos divulgados pelo Conselho de Consumidores da Área de Concessão da Energisa MS (Concen), pela empresa de tecnologia TR Soluções e pela própria agência reguladora.

O porcentual elevado de reajuste, bem acima da inflação de 4,52% do ano passado, é motivado pela suspensão da aplicação das bandeiras tarifárias entre maio e dezembro de 2020; pela utilização de R$ 42 milhões da CDE para cobrir o caixa da Energisa durante os meses de abril a junho do ano passado, período em que o aumento de 6,9% deixou de ser aplicado nas contas de luz por causa da pandemia.

E também para pagamento de R$ 3 bilhões da Conta-Covid, que é composta de empréstimos de R$ 15,3 bilhões feitos pelas concessionárias no ano passado para cobrir a redução da receita. Esses R$ 15 bilhões serão pagos em cinco anos.

O processo de reajuste da energia elétrica, que começará a vigorar no dia 8 deste mês, foi incluído quinta-feira na pauta da reunião do dia 6 da diretoria da Aneel. O colegiado começa a deliberar a partir das 9h, após o diretor-relator Efrain Pereira da Cruz apresentar o seu relatório.

Mesmo sem o documento, o reajuste já é dado como certo. A própria Aneel estima que durante 2021 a energia elétrica terá reajuste médio de 13% em todo o País. Em reunião semanal da diretoria da autarquia, realizada em fevereiro, o diretor-geral, André Pepitone, afirmou que “as áreas técnicas já fazem estimativas de que, se nada for feito, o reajuste de 2021, média Brasil, está na casa dos 13%”.

AMORTECIMENTO

Para evitar que o aumento seja ainda maior, a Aneel aprovou no dia 30 de março uma norma que destina os recursos não utilizados de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e Eficiência Energética (EE), geridos pela Aneel, para a Conta de Desenvolvimento Energético. Com a regulamentação, serão liberados R$ 2,23 bilhões em 2021 para reduzir o reajuste tarifário.

O texto regulamentou o artigo 1º da Lei nº 14.120 de 2021, decorrente da conversão da Medida Provisória nº 998/2020. A lei determina que parte dos recursos da CDE deve ser usada para reduzir os aumentos entre 1º de setembro de 2020 e 31 de dezembro de 2025.

Na aprovação da lei, a estimativa era de que estariam à disposição R$ 3,4 bilhões não utilizados em projetos de P&D e Eficiência Energética.

Se Pepitone estima um aumento de 13%, a empresa de tecnologia aplicada ao setor elétrico TR Soluções calculou em fevereiro que as tarifas residenciais poderão subir até 21,2% na Região Centro-Oeste este ano, o maior porcentual do País. A conta de luz deve ter um aumento médio de 14,5% em 2021, segundo o estudo.

A estimativa é baseada no Serviço para Estimativa de Tarifas de Energia (Sete), que leva em conta números das 53 distribuidoras e sete permissionárias do País.

As maiores altas devem ocorrer nas regiões Centro-Oeste e Norte. Há uma expectativa de aumento de 21,2% nas tarifas de energia para 2021 no Centro-Oeste.

Em seguida, aparecem Norte, com 19,4%; Nordeste (17,6%); Sudeste (13,1%); e Sul (12,2%). O levantamento apontou que o reajuste é motivado sobretudo pelo aumento de 15,5% no serviço de distribuição de energia elétrica.

Em Mato Grosso do Sul, o Concen calculou que o aumento deve ser de 11,9%, ou mais. A entidade chegou a esse porcentual já considerando a Medida Provisória nº 998/20, que após aprovação do Congresso Nacional tornou-se a Lei nº 14.120/2021, sancionada no mês passado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro.

A nova lei evita um desembolso maior no pagamento da CDE pelos consumidores.

CONTA-COVID

Os números do levantamento da TR Soluções também mostram que outro fator de aumento das tarifas tem a ver com a expectativa de custos com a compra de energia, que subiu 9,5% em relação a 2020.

Essa elevação se deve ao fato de que a maioria dos custos financeiros que as empresas de energia repassaram às tarifas ao longo de 2020 foi coberta por empréstimos do programa Conta-Covid, do governo federal, que começou a pago em janeiro deste ano.

Regulamentada pela Aneel, a Conta-Covid foi criada para evitar reajustes maiores nas tarifas de energia elétrica para o consumidor final durante a pandemia do novo coronavírus em 2020, que seriam originados por efeitos previstos.

Por meio de linha de crédito, a medida garantiu às distribuidoras os recursos para compensar essa perda de receita temporária.

QUESTIONAMENTO

No mês passado, a diretoria da Agência referendou o reajuste de 6,9% aplicado no ano passado nas contas de luz ao desconsiderar recurso do Concen sobre o cálculo desse porcentual.

A entidade solicitou que a autarquia considerasse os dados atualizados para o cálculo de Risco Hidrológico – um dos fatores que influenciam no reajuste –, o que poderia reduzir o aumento para 4,76%.

Desde 2018, a tarifa de energia elétrica cobrada pela Energisa aumentou 29,16 pontos porcentuais. Foram 6,9% no ano passado, 12,39% em 2019 e outros 9,87% em 2018.

Print Friendly, PDF & Email
HIPER